Terça-feira, 30 de Novembro de 2010

Teixeira dos Santos, eis a questão

Quando o País político esperava uma remodelação do Governo no dia de aprovação do Orçamento do Estado para 2011, José Sócrates fez o óbvio: não remodelou. O Governo, é óbvio, precisa de uma energia renovada para enfrentar o que vai ser o próximo ano, quer por razões económico-financeiras, quer por razões de desgaste político, mas o primeiro-ministro sabe, melhor do que ninguém que a remodelação está ‘pendurada’ por um nome: Teixeira dos Santos.

Após a ajuda do fundo de emergência europeu e do FMI à Irlanda, os mercados não acalmaram e continuam a penalizar fortemente Portugal e também Espanha, demonstrando a sua desconfiança relativamente à capacidade de resistir a níveis de juros da dívida pública na casa dos 7% durante muito mais tempo.

Ontem, a própria Comissão Europeia mostrou o seu cepticismo relativamente às promessas do Governo para os próximos anos e pediu mais medidas de austeridade, o que não deixa de ser uma ironia… quem mais deveria proteger os países mais expostos, Bruxelas, mais os fragiliza, no pior momento. Dito isto, a remodelação serviria para estancar a especulação - muito racional, na óptica dos investidores/especuladores - sobre Portugal e garantir que ‘temos governo’ para executar o orçamento para 2011 nos termos em que foi aprovado.

Em primeiro lugar, é preciso que Portugal chegue ao primeiro trimestre de 2011 sem necessidade de recorrer ao fundo de emergência da União Europeia e ao FMI, o que não é certo. Mas, admitindo que ‘escapamos’ a esse fado do fundo, a questão essencial na remodelação não é a mudança de António Mendonça nas Obras Públicas, Ana Jorge na Saúde, Helena André no Trabalho, Dulce Pássaro no Ambiente, António Serrano na Agricultura, Gabriela Canavilhas na Cultura ou mesmo Luís Amado nos Negócios Estrangeiros. São todos remodeláveis, podem todos mudar, mas se Teixeira dos Santos ficar, perde-se uma remodelação. Porque o que está em causa - hoje - é o ministro das Finanças, e a sua força e capacidade pessoais.

Teixeira dos Santos tem cometido erros de palmatória, elementares e até surpreendentes. Passou, em poucos meses, de ‘cavilha de segurança’ de Sócrates para o seu principal problema. Mas a decisão de remodelar está intimamente ligada a uma convicção de Sócrates: Teixeira dos Santos é recuperável ou não? Se o primeiro-ministro não remodelar até ao Natal, já não renova. Porquê? Porque a execução orçamental de 2011 começa no dia 1 de Janeiro, não há margem para erros e, por isso, não faz sentido entrar um novo ministro das Finanças sem conhecer o orçamento, já com ele em execução. Não haverá tempo para um ministro, mesmo para um nome como Vieira da Silva, conhecer o orçamento com detalhe necessário, e fazê-lo cumprir.

Se José Sócrates não remodelar Teixeira dos Santos está a pôr o futuro do País, o do Governo, e o seu próprio nas mãos do ministro das Finanças. N

 

São todos remodeláveis, podem todos mudar, mas se Teixeira dos Santos ficar, perde-se uma remodelação. 

publicado por concorrenciaperfeita às 11:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds