Quinta-feira, 9 de Janeiro de 2014

A segunda oportunidade para uma boa impressão

 

 

Maria Luís Albuquerque não assumiu as funções de ministra de Estado e das Finanças com o pé direito, por causa do caso dos 'swaps' que o relatório final da comissão de inquérito está, aliás, longe de a ilibar. Mas com o cumprimento do défice de 2013 e o anunciado regresso aos mercados, com uma emissão de obrigações a cinco anos em condições claramente melhores do que a última emissão de longo prazo antes do resgate, vai ter uma segunda oportunidade para causar uma primeira boa impressão.

A ministra das Finanças patinou quando quis utilizar o caso dos 'swaps' do ponto de vista político, um terreno em que não está, claramente, à vontade, uma linguagem que ainda não domina, veremos se alguma vez dominará. Tentou, depois, fugir ao tema, e a custo, lá foi conseguindo, também com a ajuda da maioria parlamentar que fez um relatório de conclusão da comissão de inquérito que só serviu para o lamaçal político. Todos ficaram mal, a ministra conseguiu não ficar sozinha. E, pelo meio, quando os dados económicos e financeiros começaram a dar sinais positivos, aproveitou bem a janela de oportunidade para reposicionar a sua actuação. Técnica, e não política. Tem falado pouco, e tem falado bem, e conseguiu até passar o teste do Orçamento do Estado.

O ano de 2014 pode ser, assim, um verdadeiro ano novo para a ministra das Finanças. O sucesso na operação de emissão de dívida de hoje - já garantido porque é uma emissão sindicada, isto é, garantida por cinco bancos - muito se deve a João Moreira Rato e ao IGCP que, do ponto de vista técnico, têm feito um trabalho permanente de formiga junto dos investidores que estavam tão desconfiados de Portugal. E deve-se também a um contexto europeu e mundial muito favorável, que junta questões tão diferentes como as baixas taxas de juro, o 'quantitative easing' norte-americano, o abrandamento das economias emergentes e a garantia de que o euro está cá para ficar. A relação risco/rentabilidade passou a ser favorável aos países periféricos da Europa.

A vitória de Albuquerque será, também, inquestionável. Se a operação correr como o previsto será a uma taxa inferior a uma operação idêntica, realizada em Fevereiro de 2011, portanto, antes da votação do PEC IV e da crise política. Está tudo dito.

A margem de manobra de Albuquerque, como se vê, não ficou assim tão limitada pela promoção de Paulo Portas a vice-primeiro-ministro com as relações com a 'troika'. Nos últimos meses, o líder do CDS-PP não conseguiu capitalizar esse poder, apesar das conferências de imprensa que, em alguns momentos, chegaram a ser de constrangimento alheio pelo papel secundário de Maria Luís Albuquerque. No final do dia, as decisões foram tomadas nas Finanças.

Maria Luís Albuquerque já tem garantido o financiamento do Estado para todo o ano de 2014 e pode agora, com mais tempo, preparar a necessária emissão de obrigações a dez anos, uma operação indispensável para fechar com sucesso o programa de ajustamento e beneficiar do programa cautelar. Quem diria, em Julho, que Albuquerque estaria nesta posição?

publicado por concorrenciaperfeita às 08:26
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds