Domingo, 2 de Janeiro de 2011

Caixa, para quê?

O Governo aumentou o capital da Caixa Geral de Depósitos em 550 milhões de euros no último dia do ano. Foi mais um – o quarto em três anos - para responder a um equívoco que o accionista teima em não resolver: a Caixa é um banco comercial, um banco público de investimento para entrar nas empresas que o Governo considera estratégicas ou um banco de desenvolvimento – e salvação – da economia portuguesa?

Em primeiro lugar, a forma: mais uma vez, como sucedeu recentemente com a venda do edifício-sede do banco ao seu fundo de pensões, a escolha do último dia do ano, num fim-de-semana atípico, dá a ideia de que o Governo e a administração da Caixa têm algo a esconder. Tendo em atenção o facto de ser um banco público, e de sermos todos nós os seus accionistas, exigia-se outra transparência.

Fica a substância: O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, tinha avisado há algumas semanas que a banca nacional precisaria de reforçar os seus capitais, porque a crise económica já está a fazer-se sentir e porque as regras internacionais de Basileia são mais exigentes. A banca e os banqueiros reagiram mal aos conselhos do governador, mas a Caixa acabou por inaugurar esta nova fase do sistema financeiro português. E percebe-se porquê. Não há rácios, nem capital, que resistam a uma orientação de salvar ou tentar salvar tudo o que ‘mexe’, de acumular participações estratégicas em empresas de grande dimensão, de entrar em mercados internacionais numa lógica de ‘Estado’ e de, somado a isto, continuar a financiar a economia a um preço competitivo. Além do crédito de 4,6 mil milhões ao BPN, claro.

A ambiguidade de acção da Caixa não é de hoje, mas revela-se mais problemática em momentos de crise económica e financeira. O Governo exige que o banco público tenha o dom da ubiquidade financeira, esteja em todo o lado ao mesmo tempo, e isso só é possível se o accionista - isto é, os contribuintes portugueses - meter mais e mais dinheiro. Mas esse objectivo não é conciliável com uma actividade de banca comercial pura. Com este aumento de capital, diz a Caixa, os rácios financeiros, leia-se as almofadas de segurança para responder a uma crise, são confortáveis. Até quando? Provavelmente, estes 550 milhões não serão suficientes para o ano de 2011, até porque, depois, o mesmo Estado (e Governo) exige que a Caixa pague dividendos, compondo, assim, as receitas públicas. A Caixa vai ter de vender activos, e veremos a que preço.

Faria de Oliveira terminou o primeiro mandato no último dia do ano e, provavelmente, não passará da assembleia-geral do banco, em Março. Qualquer que venha a ser a nova administração, seria uma óptima oportunidade para clarificar o que o Governo quer do banco público. Até agora, é tudo e não é nada, o que só pode dar maus resultados. Qualquer caminho é legítimo, mas tem de ser conhecido.

publicado por concorrenciaperfeita às 23:45
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds