Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

A ‘casa dos segredos’ da Galp Energia

A Galp Energia está a transformar-se numa ‘casa dos segredos’ e, nas próximas semanas, vamos descobrir o que cada um dos protagonistas – leia-se gestão executiva, Governo e accionistas privados - quer para o futuro da empresa e para si próprio. Hoje, Manuel Ferreira de Oliveira dá o mote: em declarações ao Diário Económico, afirma estar disponível para um novo mandato à frente da Galp.

Há, neste momento, três questões-chave para o futuro da empresa, não necessariamente por esta ordem de importância: Ferreira de Oliveira vai continuar como presidente executivo? A Galp vai fazer um aumento de capital ou vender activos? A Petrobras vai entrar para a estrutura accionista da empresa, por troca com a Eni, e por cima dos interesses angolanos? Qualquer delas não tem um resposta óbvia de sim/não.

Em primeiro lugar, Ferreira de Oliveira está longe de ter o apoio dos accionistas de referência da empresa. A Eni e os angolanos (Sonangol e Isabel dos Santos) não o querem, o Governo – através da CGD – está em processo de avaliação e Américo Amorim é o seu grande defensor. Ferreira de Oliveira cometeu um erro capital, para um presidente de uma empresa que tem mais do que um dono, isto é, geriu todo o mandato como presidente da Galp em nome de Amorim e contra os accionistas estrangeiros. Por boas ou más razões, privilegiou um e tentou, durante os últimos três anos, diversas soluções que mudassem a estrutura accionista da empresa. E, obviamente, os seus próprios apoios. Sem sucesso.

Dito isto, apresentou resultados: a petrolífera portuguesa, hoje, está na primeira liga europeia graças à participação na exploração no Brasil e vale em bolsa cerca de 12 mil milhões de euros, mais cerca de sete mil milhões de euros do que valia quando foi para a bolsa, a pouco menos de seis euros por acção.

Pelo meio, Ferreira de Oliveira tem de ter o apoio dos accionistas desavindos para aprovarem um reforço de capital, avaliado em pelo menos 2,5 mil milhões, para fazer face aos investimentos pesados dos próximos cinco anos. Provavelmente uma venda de uma posição accionista numa empresa a criar para a exploração de petróleo no Brasil, à semelhança do que fez a espanhola Repsol com uma empresa chinesa…

Tudo, somado, não é possível ser presidente de um e não de todos, portanto, para a empresa, e para o próprio, exige-se uma de duas soluções nos próximos três meses: Ferreira de Oliveira mantém-se, entram os brasileiros e saem os italianos e os angolanos ou Ferreira de Oliveira sai e a parceria com os brasileiros fica pelo caminho, o que obrigará a uma clarificação do ‘casamento de conveniência’ entre Américo Amorim e os angolanos.

Mas, há sempre um ‘mas’… Os últimos meses revelaram que o Governo e José Sócrates querem privilegiar os brasileiros da Petrobras e deixar para trás os angolanos, aproximando-se assim das pretensões de Amorim e Ferreira de Oliveira. A decisão é arriscada e pode ter consequências imprevisíveis. Basta lembrar o peso da Sonangol no BCP e de Isabel dos Santos no BPI. Mas, pior do que uma decisão, nesta ‘casa dos segredos’, é a manutenção de uma paz podre numa companhia demasiado importante para a economia portuguesa.

publicado por concorrenciaperfeita às 09:55
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds