Domingo, 30 de Janeiro de 2011

A escolha entre o Brasil e Angola

Portugal está numa encruzilhada e não é apenas do ponto de vista económico e financeiro, como muito bem identificou Joaquim Pina Moura há cerca de dez anos, então ministro das Finanças e da Economia. Está hoje numa encruzilhada geoestratégica com consequências para o futuro do País: devemos escolher Brasil ou Angola como parceiro preferencial? O futuro da Galp e a sua nova (?) estrutura accionista são, em certa medida, a face visível desta opção.

Nos últimos anos, sucederam-se os investimentos angolanos em Portugal e a tomada de controlo de empresas e de participações accionistas em bancos e noutros sectores de actividade. Não sem a desconfiança, às vezes pública, outras vezes velada e em surdina, de muitos dos principais decisores, económicos e políticos. Angola é um regime em transicção para a democracia, a reputação e credibilidade das instituições e do regime político estão ainda em construção mas foi, na história económica recente de Portugal, a principal fonte de ‘receita’, seja pela exportação de bens, serviços e pessoas, seja pelos negócios que se foram abrindo no País. A resposta chegou: os angolanos querem, legitimamente, mais de um País, Portugal, e da sua economia.

O Brasil é uma economia e um regime consolidados, tem uma arquitectura financeira e legal e políticas públicas desenvolvidas, ao nível do primeiro mundo, e são hoje o principal espaço de desenvolvimento e de oportunidades para as empresas portuguesas. E já são muitas as que estão a investir do outro lado do Atlântico. De resto, o Brasil aspira a ser, e virá mesmo a ser, uma das maiores economias do mundo. Pouco a pouco, algumas empresas brasileiras olham para Portugal, mas, ao contrário de Angola, como ponte de passagem para outro lado, maior e com melhores perspectivas de rentabilidade e com um passaporte português de influência. A língua portuguesa que nos une não é, por si só, suficiente para ganhar no Brasil, é necessário competência, ousadia e risco.

Lado a lado, o Brasil garante uma previsibilidade que Angola não assegura, pelo menos ainda, tem escala que Angola não tem e um regime económico fiável. Mas, dito isto, as duas economias não são incompatíveis. Têm, e terão, necessariamente, papéis diferentes para as empresas portuguesas e para Portugal.

A gestão do caso Galp, e o conflito entre um empresário português, Américo Amorim, e empresas e empresários angolanos, Sonangol e Isabel dos Santos, são um bom exemplo do que não se deve fazer. Independentemente das responsabilidades de cada um, que a história fará um dia. Por isso, a opção na Galp - como a de Portugal - deve contemplar a entrada da brasileira Petrobras desejável e até estratégica, mas negociada com os angolanos. O futuro da Galp, e de Portugal, passa pelo Brasil, mas sem destruir os equilíbrios de uma empresa e do País.

publicado por concorrenciaperfeita às 23:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds