Segunda-feira, 21 de Março de 2011

A recessão anunciada

O Governo entregou no Parlamento o PEC IV, uma versão revista e agravada das projecções económicas do País para 2011 e anos seguintes. O novo plano de austeridade confirma o que todos já sabíamos, incluindo o ministro das Finanças, isto é, que a recessão voltou a Portugal. A situação económico-financeira, social e política diz-nos que o longo prazo, hoje em Portugal, resume-se a um ano, por isso, este PEC vale, sobretudo, por 2011. Sobre os anos seguintes, logo veremos.

A primeira ilação a retirar deste novo plano é, obviamente, a de que o Governo falhou quando, há pouco mais de quatro meses, projectou um crescimento económico, marginal, é certo, para 2011. A economia portuguesa vai cair 0,9% este ano e está em recessão deste o último trimestre de 2010, como afiançou Carlos Costa, em entrevista ao Diário Económico. Seria desejável ouvir, agora, as palavras do presidente do Tribunal de Contas, Guilherme d’Oliveira Martins, que se apressou a fazer o papel de comentador em nome do Governo. A recessão existe quando há dois trimestres consecutivos de variação negativa do PIB, dizia... Pois, mas a recessão não é técnica, existe na vida das pessoas e das empresas, como se comprova.

O novo cenário macroeconómico é mais realista, é certo. Mas é só isso. Mais realista, mas com enormes riscos, e isso é, obviamente, um factor que põe em causa a credibilidade do próprio Programa de Estabilidade e (pouco) Crescimento, perante os mercados e os credores, que nenhuma flexibilização dos instrumentos europeus resolve. É de confiança, e de credibilidade, que falamos, como sublinha o primeiro-ministro José Sócrates.

Aliás, o quadro macroeconómico ontem divulgado tem uma nota curiosa: a recessão tem em conta as projecções das instituições internacionais. Mas omite, deliberadamente, o Banco de Portugal, que prevê uma recessão de 1,3%. E, nas próximas semanas, haverá uma nova revisão das previsões económicas por parte de Carlos Costa. Dificilmente para melhor... Depois, o Governo mantém uma visão optimista do impacto das medidas de austeridade em 2011, nomeadamente o corte de salários e o aumento de impostos. O consumo privado, das famílias, que vale dois terços da criação de riqueza em Portugal, vai cair 1,1%, mais uma décima do que em 2009, quando não existia austeridade, pelo contrário, muitos apoios à economia, às famílias e aos desempregados.

As políticas económicas e financeiras, agora, já pouco interessam. Interessavam, e muito, no início de 2010, quando foi aprovado o Orçamento do Estado para esse ano, e no final de 2010, quando foi aprovado o Orçamento do Estado para 2011. Agora, mesmo tendo em conta as medidas do PEC IV, algumas delas positivas e com incentivos correctos para os anos de 2012 e 2013 no sentido da redução do défice público, importa perceber quem é que terá condições para as executar, estas e/ou outras que nos façam entrar, definitivamente, na linha.

publicado por concorrenciaperfeita às 23:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds