Sexta-feira, 3 de Junho de 2011

Porque é que Passos Coelho vai ganhar e porque é que Sócrates vai perder

A 48 horas da decisão dos portugueses nas eleições legislativas, arrisco uma previsão, e não uma sondagem: Pedro Passos Coelho vai ganhar, Sócrates vai perder, Portas vai ganhar, Jerónimo fica como está e Louça vai, também, perder. E as sondagens, essas, já ganharam. Esta previsão funda-se em sondagens, mas não só, também nos últimos seis anos, nos últimos dois meses, nas últimas duas semanas da vida económica, política e social do País. Cada momento, à sua maneira e com o seu peso, contribuiu para a mudança de ciclo, mesmo de regime, que se impõe em Portugal.

Somos um protectorado da Alemanha e do FMI, e seremos nos próximos três anos. Sócrates levou ao limite a independência financeira, e política, de Portugal, mas é o primeiro responsável, por mais voltas que dê, por mais culpas que atire para cima do PSD e dos partidos da Oposição que decidiram provocar eleições antecipadas, para os especuladores financeiros, para o mundo. Já tínhamos um nível de desemprego recorde, já estávamos a pagar juros insuportáveis, já tínhamos as finanças públicas num estado calamitoso. E, enfim, já estávamos num pântano, muito pior do que aquele que fez Guterres pedir a demissão há dez anos. Com PEC sucessivos a mostrarem os falhanços dos anteriores, e que só a si, Sócrates, podem ser assacados.

A crise política acelerou o que já era inevitável. E se aproveitarmos o apoio da 'troika', o cheque de 78 mil milhões, o plano de austeridade e o plano de reformas e de crescimento, a crise valeu a pena. A custo, mas terá valido a pena.

 

Pedro Passos Coelho merece ganhar as eleições, apesar de algumas trapalhadas e erros de comunicação e, até, do 'Nobre' fenómeno. Porquê? Desde logo, porque apresentou um programa eleitoral, aliás, um dos dois que vimos, o outro foi o da 'troika'. Parece coisa pouca, mas não é, especialmente quando se pede que os candidatos a primeiro-ministro, leia-se Passos Coelho e Sócrates, digam ao que vão e o que nos espera. O presidente do PSD será melhor primeiro-ministro do que foi candidato, mas não escondeu as cartas. Aliás, deu 'jogo a mais' e, em determinadas áreas, como nas privatizações, foi mais longe do que o próprio acordo de entendimento entre o Governo e a 'troika'.  E foi mais claro em matérias sobre as quais Sócrates tinha vantagem, apenas aparente, como se viu, como a descida da Taxa Social Única, porque negociou esta medida com as instituições internacionais. É verdade, nem tudo correu bem, e algumas das medidas apresentadas, percebeu-se, estavam mal-preparadas, como o tecto nas pensões, que até já existe. Mas esses erros são menores quando comparados com o silêncio ensurdecedor do PS e de Sócrates para os próximos quatro anos.

 

José Sócrates merece perder as eleições, porque, verdadeiramente, nunca as quis ganhar, optou por não as querer perder. O seu programa eleitoral, simplesmente, não existiu e, nos debates televisivos da pré-campanha e nas arruadas e comícios da campanha, limitou-se a dizer que quer continuar a fazer o que fez. Sócrates quer um Estado social que já não existe, e que a sua política acabou, também, por condenar.

Não é possível continuar, porque foi isso que nos trouxe até aqui, mas também porque não foi isso que negociou e acordou com a 'troika'. Sócrates - às vezes primeiro-ministro, às vezes secretário-geral do PS - tentou aproveitar as 'gaffes' de Passos Coelho e tentou impor o medo, o medo de uma mudança de vida que é absolutamente necessária. Mas como isso não é estratégia, é táctica, o que se discutiu, bem ou mal, foi o programa do PSD.

Sócrates tenta mobilizar, até paquistaneses, valeu tudo, mas está (quase) sozinho, mesmo dentro do seu próprio partido, que vai ter de se regenerar a partir do dia 6 de Junho. O primeiro-ministro e líder do PS já tem pouco a dizer aos portugueses. Embrulha, também não se livra de casos, como os diferentes acordos com a 'troika', as nomeações de um Governo de gestão ou o défice público maquilhado com o atraso nos pagamentos, ganha tempo, com a qualidade e capacidade que só os políticos mais qualificados conseguem fazer. Mas já não chega.

 

A campanha eleitoral foi mazinha, pior do que a pré-campanha e muito pior do que se exigia, tendo em conta o momento especial do País. Pouco ou nada se discutiu, mas o que se discutiu, deveu-se a Pedro Passos Coelho. Por isso, suspeito, o PSD ainda vai subir mais, à medida que os indecisos deixem de o estar, porque percebem que vivemos um momento de decisões. As sondagens, essas sondagens que são úteis e muito válidas quando dão a vitória e 'compradas' quando antecipam a derrota, já ganharam as eleições.

Portugal precisa de mais sondagens, não precisa de menos, e o mercado vai seleccionar as melhores. É, aliás, por isso, que os partidos, os maiores, realizam sondagens, 'trackings' diários para saber em que ponto está o eleitorado. As sondagens promovem a transparência e, mais, democratizam a informação. Criticar as sondagens - que têm de obedecer a regras, formais e substanciais, éticas e deontológicas e são auditadas - é um exercício contra a Democracia, é o mesmo que criticar os jornais e as televisões por darem notícias.

 

Não deixa de ser curioso que o maior inimigo das sondagens seja um antigo jornalista. Paulo Portas mudou de lado e muda de opinião. A informação vale o que vale, como as sondagens, dirá hoje. O presidente do CDS-PP já ganhou. Sabe, há semanas, que estará no Governo qualquer que venha a ser o vencedor das eleições, e estica a corda. A partir de um pequeno partido, fez o que Passos não soube fazer, uma campanha focada, sem erros evidentes, a capitalizar votos junto do PSD, mas também do PS. A agricultura, a economia produtiva, a concorrência,  os mais desfavorecidos, o valor do trabalho, a segurança. Não criou casos, aproveitou os dos outros, construiu uma equipa e vai ganhar.

O PCP e o Bloco de Esquerda avançaram para esta campanha com votos negativos. A decisão de não participarem nas discussões com a 'troika' deixou-os fora do jogo, autoexcluiram-se do futuro do País. Mas se os comunistas têm, eleição após eleição, um voto estável e resistente ao tempo - aqui, a tradição continua a ser a que era -, os bloquistas vão desaparecer mais depressa do que apareceram. Francisco Louça usa a sua inquestionável inteligência de forma demagógica, e está muito longe da consistência histórica, e resistente, e limpa, de Jerónimo de Sousa. E nem a discussão em torno da renegociação da dívida, que lançou, é suficiente para disfarçar que o Bloco é um movimento, não é um partido, tem bandeiras e não um projecto, é o 'Manuel Alegre' dos partidos.

 

Já a partir do dia 6 de Junho, é importante que Passos Coelho tenha a capacidade de fazer as pontes necessárias para formar um Governo forte e para ganhar o apoio do PS a um programa, o seu, mas também ao da 'troika', que o próprio PS apoiou. O relógio já está a contar. E, nos próximos anos, a maioria aritmética no Parlamento não chegará para pôr em prática todas as medidas que já estão previstas, a redução anual do défice público e da dívida pública, calculada ao milhão na agenda da 'assistência técnica' do FMI e de Bruxelas que, todos os meses, estará em Portugal. Serão necessárias maiorias sociológicas e, aqui, só o PS acrescenta valor. Especialmente um PS que, previsivelmente, vai regressar às origens, à esquerda.

publicado por concorrenciaperfeita às 00:10
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds