Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2012

É a Hora!

Já todos sabemos que 2012 vai ser um ano difícil, cheio de sacrifícios e, até, de empobrecimento colectivo, já todos sabemos que a única certeza será a incerteza e que Portugal vai piorar antes de melhorar, que a austeridade não vai diminuir e que o desemprego vai aumentar. Já todos sabemos... portanto, a partir de hoje temos todos, a geração que decide, a responsabilidade de fazer diferente e de fazer melhor, pelas próximas gerações.

Fernando Pessoa definiu bem, no início do século passado, o que estamos a viver hoje, o nevoeiro que nos confunde e atormenta. "Nem rei nem lei, nem paz nem guerra/Define com perfil e ser/Este fulgor baço da terra/Que é Portugal a entristecer ?Brilho sem luz e sem arder/Como o que o fogo-fátuo encerra. Ninguém sabe que coisa quer/Ninguém conhece que alma tem/Nem o que é mal nem o que é bem/(Que ânsia distante perto chora?)/Tudo é incerto e derradeiro/Tudo é disperso, nada é inteiro…/Ó Portugal, hoje és nevoeiro…/É a Hora!"

É, pois, a Hora de nos ultrapassarmos, sem optimismos deslocados, mas sem fatalismos. Porque Portugal não está condenado a esta história triste. Se, em outros momentos da nossa história, fomos capazes de conquistar e ultrapassar as distâncias, como Pessoa nos recorda na sua Mensagem, não há qualquer razão para não o fazermos agora.

2012 é um momento de decisão e isso é, de alguma maneira, facilitador. Definido o caminho - e ele está bem definido, no tempo e no espaço - é preciso fazer, é preciso realizar.

A discussão política fica esgotada? Claro que não, mas os decisores, não só os políticos, mas os empresariais, os sociais, devem ter bem a consciência de que os portugueses dispensam a conflitualidade estéril, e a olhar para o passado. Os portugueses exigem mudanças, aceitam a austeridade porque, ao contrário do que muitas vezes se ouve, perceberam exactamente o que nos trouxe até aqui, mas querem um rumo e um objectivo. Que só será possível se existir concertação.

A economia portuguesa precisa de se libertar do Estado, as empresas portuguesas precisam de andar sozinhas, mas são muitos os exemplos de empresas, empresários, gestores e trabalhadores que são capazes de estar entre os melhores nas suas áreas, que são competitivos, no País e no mundo. Estes exemplos têm de se multiplicar, não só por outras empresas, mas por outras organizações, privadas e públicas, na educação e na saúde, nas instituições de solidariedade social.

O Governo de Pedro Passos Coelho realizou mais em seis meses do que nenhum outro na história recente do País. Por necessidade, por imposição externa, muitas vezes de forma desajeitada e equívoca.  Mas áreas como o trabalho, a justiça, a saúde e a educação, o arrendamento, têm já um novo enquadramento legislativo ou vão tê-lo nas próximas semanas, e é fundamental que essas mudanças produzam efeitos, os efeitos correctos. Por uma vez, levem-se as reformas até ao fim e avaliem-se os resultados.

publicado por concorrenciaperfeita às 12:20
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds