Terça-feira, 3 de Janeiro de 2012

Paulo Macedo precisa de ir ao médico

Os três canais de televisão abriram ontem os noticiários das 20.00 horas com notícias sobre saúde, ou melhor, sobre o estado de doença do Serviço Nacional de Saúde (SNS), por causa das listas de espera nos hospitais e dos transplantes. A história diz-nos que foi precisamente assim, por causa de histórias como estas, que começou o princípio do fim de António Correia de Campos à frente do ministério da Saúde.

O actual ministro Paulo Macedo sabe bem que a saúde não tem preço, mas tem custos. E custos que são suportados por mais e mais impostos. E foi com base na necessidade de cortar nos custos que definiu um conjunto de medidas - suportado por um memorando da 'troika' - destinado a tornar o SNS sustentável. Como o Diário Económico referiu na edição de ontem, num excelente trabalho da jornalista Catarina Duarte, 2011 foi o ano em que a Saúde foi ao médico. E o diagnóstico foi claro: a transparência que o novo ministro decidiu impor às contas do seu ministério revelou uma dívida acumulada de três mil milhões de euros.

O problema, de difícil resolução, é precisamente como tornar o SNS financeiramente sustentável sem pôr em causa a prestação de cuidados de saúde à população, tanto mais necessários quando se sabe que os cortes no rendimento disponível das famílias portuguesas vão levá-las a 'abandonar' os hospitais privados e a procurar, outra vez, os hospitais públicos. O SNS foi das maiores conquistas da Democracia portuguesa, mas, à semelhança do que se chama de Estado social, só poderá cumprir os seus objectivos se se pagar, se os portugueses gerarem a riqueza necessária para o pagar. Um exemplo: os cortes no SNS em 2012 chegam a 7%, mas já se sabe que o défice do ano vai ser de 200 milhões de euros.

Ora, Paulo Macedo é, claramente, até agora, dos melhores ministros deste Governo, 'mexeu' com interesses instalados e tocou em todos os sectores que vivem em torno, e à custa, da Saúde. Mas precisa de saber que não chega ser um ministro-gestor, não basta tomar as melhores medidas, é necessário que os portugueses as percebam, as entendam, e as defendam, como meio para garantir um fim, um SNS eficiente e eficaz. E, até agora, isso não tem sido claro.

Muitas das medidas já anunciadas, como o aumento das taxas moderadoras que, sublinhe-se, representam apenas 2% da receita do sector, ainda não estão no terreno e, por isso, os utentes ainda não sentiram os seus efeitos. Mas já é notório que o ministro da Saúde entrou no radar das críticas, organizadas ou não, dos interesses e dos lobbies.

Fica a lição da história que 'atirou' Correia de Campos para a rua, com a cumplicidade, aliás, do actual Presidente da República, Cavaco Silva, e que interrompeu um trabalho que, de alguma maneira, está agora a ser retomado por Paulo Macedo. É possível fazer reformas contra os lobbies, mas não é possível fazê-las contra as pessoas, porque, se assim for, as aberturas de noticiários vão suceder-se. E já se pode antecipar a consequência.

publicado por concorrenciaperfeita às 10:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds