Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2012

E, agora, uma coisa realmente importante!

Portugal está metido numa crise sem precedentes, mas as discussões políticas continuam a ser niveladas por baixo, entre a 'pieguice' e o Carnaval, temas sem a mínima importância e que consome tempo e atenção que deveriam estar centrados no que é realmente importante: Portugal dificilmente conseguirá regressar aos mercados em 2013, mesmo que faça tudo bem. E, então, o que sucederá?

As palavras de Pedro Passos Coelho não foram a forma mais feliz de espelhar uma realidade que é dura. Em primeiro lugar, porque 'piegas' não é propriamente a melhor forma de caracterizar os portugueses, especialmente nestes tempos que correm. Os portugueses são outras coisas, são talvez, sofridos, são facilitistas, são melancólicos, são pouco exigentes, consigo e com os outros.

Mas o primeiro-ministro não se limitou a pedir o fim da 'pieguice'. Disse mais, e mais importante. Disse, no contexto de uma conferência sobre educação, que não podemos ter pena dos alunos "que sofrem tanto para aprender". Serve isto também para os portugueses, que estão a sofrer para aprender que não há tempo, nem dinheiro, para complacências, paternalismos e facilitismo. Não nos podemos dar, colectivamente, a esse luxo, porque em breve teremos de pedir dinheiro emprestado aos mercados, outra vez, e a sua avaliação vai ser exigente.

É, também por isso, que a discussão em torno da tolerância de ponto do Carnaval é desproporcionada face à sua real importância. É absurda. O Governo pensou bem, mas executou mal. As câmaras municipais concedem tolerância de ponto, as empresas têm nos seus acordos colectivos a paragem no dia de Carnaval, Alberto João Jardim vai disfarçar-se, talvez de 'rico', e vai desfilar, como sempre. Tudo somado, tanto barulho, e impacto social, com resultados limitados, ou nulos.

Mais relevante hoje, e esse deveria ser o assunto a concentrar a discussão política, é perceber como vamos voltar a financiar a nossa economia, e o nosso Estado, quando acabar o cheque da 'troika'. Vale a pena olhar para a Grécia e perceber que o nosso tempo esgota-se e que não estaremos imunes a um 'default' grego. A reestruturação da dívida da Grécia, leia-se um perdão de dívida de pelo menos 65% do total, a aplicação de novas medidas de austeridade e um novo empréstimo não serão provavelmente suficientes para manter o País no euro. Porque não há crescimento.

Portugal está mais próximo da Irlanda na execução do plano de austeridade, mas está mais próximo da Grécia na estrutura da sua economia. E, sem crescimento, o Governo tem uma de duas soluções: mais dinheiro em 2014 ou a reestruturação da dívida pública já em 2012.

Pedro Passos Coelho vai manter a primeira opção como a única opção, enquanto o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, vai ouvir os mercados, em segredo, sobre a segunda. Das duas, a melhor solução é a terceira, é também a mais difícil, é criar condições para a economia crescer e tornar a nossa dívida solvente.

publicado por concorrenciaperfeita às 22:08
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds