Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Um Tomé bem Amado

As mudanças no conselho de administração do Banif, um dos bancos líderes da liga de honra do sistema financeiro português, são mais relevantes do que à primeira vista possam parecer. Pelos nomes escolhidos – Luís Amado e Jorge Tomé -, pela situação de fragilidade do banco, quer ao nível accionista, quer de capitais, e pelo risco de efeito borboleta, de um banco mais pequeno no sistema financeiro como um todo.

Abanca está a fazer o seu próprio processo de reestruturação e de austeridade, em simultâneo com o programa de ajustamento económico e financeiro do País. As mudanças nas administrações, o ‘murro na mesa’ dos principais accionistas, a saída de uns e a entrada de outros, são exemplos, não os únicos, desta nova dinâmica no sistema financeiro, que também tem de mudar de vida. Os grandes – da primeira liga – estão a limpar os seus balanços, como se prova pelas centenas de milhões de euros de imparidades de crédito. Os pequenos, à sua escala, têm também de fazer este trabalho. E o Banif é, talvez, o que mais tem de fazer.

Luís Amado não é propriamente um banqueiro, é um diplomata de excepção e foi mais do que um ministro dos Negócios Estrangeiros, como se percebeu, cedo, quando sugeriu, contra a opinião de José Sócrates, a inscrição de um limite de dívida e défice na Constituição. ‘Leu’ os ares de Berlime Paris antes dos outros. E não se escondeu. Vai ter duas funções críticas: unir accionistas desavindos – particularmente a família de Horácio Roque que, com o seu desaparecimento, entrou em choque público e notório. E, mais importante, tem de cativar um ou dois novos accionistas internacionais que reforcem os capitais do banco e lhe dêem vida e futuro.

Jorge Tomé é um banqueiro na verdadeira acepção da palavra, e não apenas na que decorre do facto de ser presidente de um banco. A Caixa Geral de Depósitos perdeu, provavelmente, o administrador que mais sabia de banca, particularmente de banca de empresas, e que muita falta fará ao banco público que, de uma vez por todas, tem de concentrar-se em emprestar a quem quer criar riqueza e investir, e não em financiar participações ou grupos falidos. Nota de rodapé: Pedro Queiroz Pereira foi bater à porta da Caixa para comprar uma posição na Cimpor. Aí está um negócio que deveria ser proibido pelos estatutos do banco público, para isso há outros bancos, os privados. Como em tudo na vida, mais do que grandes desígnios, as instituições precisam de bom senso.

Tomé vai ter de gerir um banco que tem uma quota de mercado de 3,55%do crédito à economia e tem dificuldade em cumprir os seus rácios de capital. Vai ter de reduzir a relação entre créditos e depósitos, uma das mais desequilibradas do sistema, vai ter de vender a posição que tem no Brasil, um mercado demasiado grande para um banco que, nos dias de hoje, tem dificuldade em cumprir as exigências de capital para suportar a sua actividade no mercado português.

A dupla Amado/Tomé – como a dupla Monteiro/ Amado no Millennium bcp – tem as condições para ter sucesso nestes objectivos. No final de 2014, o Banif vai ter de ser um banco diferente do que é hoje, na sua estrutura accionista e na sua estratégia. Sozinho ou, no limite, incorporado por outro banco.

publicado por concorrenciaperfeita às 21:09
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds