Domingo, 1 de Abril de 2012

A crise trouxe as OPA

Em menos de 24 horas, os portugueses voltaram a ouvir um acrónimo que tinha desaparecido das conversas de café nos últimos anos: OPA, de Operação Pública de Aquisição, de uma empresa a comprar outra. Estranho quando estamos em situação de emergência nacional? Nem tanto. A família Mello e um fundo de investimento, por um lado, e os brasileiros da Camargo Corrêa, por outro, têm razões bem diferentes para lançarem OPA sobre a Brisa e sobre a Cimpor, respectivamente, mas têm uma que é idêntica. Boas empresas ao preço da chuva. Dito de outra forma, a crise trouxe as OPA.

As OPA revelam, desde logo, que os empresários já perceberam que 'isto' já bateu no fundo, o preço dos activos em Portugal está barato, para o que valem hoje, e para o que podem valer no futuro. Chegou o momento de comprarem, ou outros comprarão por eles. Este é a primeira ilação das duas OPA anunciadas no final da semana passada.

Agora, as OPA revelam que há confiança no futuro da economia portuguesa, na saída da crise e na sustentabilidade das opções que estão a ser tomadas? Sim, mas...

Os Mello e a Camargo Corrêa propõem-se investir 700 e 2,3 mil milhões de euros para controlar a Brisa e a Cimpor e isso, é claro, não é despiciendo. Numa economia que vai cair 3,4% em 2012 e estagnar em 2013, diz o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, três mil milhões de euros é muito dinheiro, que ninguém estaria disposto a arriscar se admitisse o risco de 'default' ou a reestruturação da dívida pública após 2013. É, digamos, um voto de confiança, um sinal de que a economia não parou. Pelo menos, parte da economia. Ainda assim, Pedro Passos Coelho deve evitar a tentação de utilizar as OPA para fazer política, como era tão comum em José Sócrates.

Vejamos: Os Mello perceberam que garantiam agora o controlo da Brisa ou acabariam por ser expulsos, por força de outra oferta, eventualmente do outro accionista de referência, os espanhóis da Abertis. Aliaram-se ao fundo Arcus e blindaram o controlo da concessionária de auto-estradas que estava a cotar abaixo dos 2,5 euros e vale, seguramente, mais do dobro. A OPA é uma consequência, legal, de um acordo entre dois accionistas que já valem mais de 52% dos direitos de voto. O controlo foi assegurado antes da OPA, dispensa-a, e, por isso, o melhor que pode suceder a Vasco Mello é o fracasso da oferta. Poupa 700 milhões.

A OPA da Camargo Corrêa sobre a Cimpor, a maior empresa industrial de base portuguesa, há muito estava anunciada. Desde o dia em que a brasileira CSN lançou uma OPA à Cimpor e duas grandes companhias brasileiras perceberam o risco que corriam, passaram de concorrentes no mundo a aliados em Portugal, na própria Cimpor. Claro, duas cimenteiras, brasileiras, a mandarem numa terceira, portuguesa, não poderia durar por muito tempo. Era um casamento de conveniência. E o que vai suceder é a divisão da Cimpor entre a Camargo, que compra, e a Votorantim, o outro accionista brasileiro, também cimenteiro, que vai aceitar vender. Com a conivência da Caixa Geral de Depósitos, que recusou a oferta da CSN a 6,18 euros há pouco mais de dois anos para aceitar vender agora a 5,5 euros por acção. O problema não é vender agora, é não ter vendido há dois anos, mais, é ter decidido ser accionista da Cimpor.

As duas ofertas vão ser, provavelmente, um sucesso, vão contrariar a regra, vão furar as probabilidades, mesmo sem qualquer revisão do preço oferecido, baixo nos dois casos. A Brisa e a Cimpor, essas, vão ter futuros diferentes. A concessionária vai continuar portuguesa, em nome dos Mello, mas, nos próximos anos, limitada no crescimento por constrangimentos financeiros. A Cimpor já só era portuguesa no nome e na sede, agora vai ser dividida em duas, ou mais, vai ser uma espécie de 'despojos de guerra' de brasileiros em terras portuguesas.

publicado por concorrenciaperfeita às 23:08
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds