Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

A reforma do Estado da socialista Cristas

A ministra Assunção Cristas, ao melhor estilo socialista, decidiu resolver um problema de despesa pública - de saúde pública e segurança alimentar - com mais um imposto que, necessariamente, acabará por ser pago por todos os consumidores. Ai está um bom exemplo da nossa história, pelo menos, na última década.

Assunção Cristas, uma ministra que cumpre a quota do CDS-PP, é bom lembrar, fez aprovar ontem, em conselho de ministros, uma nova taxa a aplicar aos estabelecimentos de comércio alimentar, por grosso e a retalho, de valor não estabelecido, destinada a financiar um fundo sanitário e de segurança alimentar. Importa-se de repetir? Mais uma taxa, e bem poderia dizer um imposto? Para quê?

Em primeiro lugar, já existem taxas e impostos que suportam a saúde, segurança e higiene alimentar e, que se saiba, Portugal foi dos países mais rigorosos na transposição de directivas comunitárias sobre esta matéria. Pagos por quem tem de os pagar, os produtores. Agora, a justificação é a de que a distribuição tem também de contribuir, mas a ministra sabe o que está realmente a dizer, é que serão os consumidores a financiar esse novo fundo.

Assunção Cristas não está a dizer toda a verdade para justificar um confisco, idêntico a tantos outros, tantas vezes denunciados pelo CDS-PP quando estava na oposição. "Connosco, não contem com mais impostos que asfixam a economia, as empresas e as famílias", diziam Paulo Portas e Assunção Cristas em campanha eleitoral. Pois...

Qual é a verdade, que não está do decreto-lei? Os animais que morrem nos campos, por morte natural ou por uma qualquer praga ou doença, têm de ser recolhidos, obviamente por razões sanitárias e de higiene e segurança. Duas empresas, privadas, prestam esse serviço ao Estado, que custará qualquer coisa como 12 milhões de euros por ano. Ora, como a ministra não tem dinheiro para pagar este serviço, até agora financiado pelo orçamento, preferiu a opção mais fácil, e tentacular. Lança um novo imposto sobre um sector, a distribuição, que, sabe, vai fazê-lo repercutir no consumidor. É quase tão fácil como agravar o IRS, é dinheiro em caixa.

Portanto, dito de outra forma, Cristas arranjou maneira de pôr os consumidores a subsidiar os produtores numa matéria que, obviamente, lhes compete a eles. Não é responsabilidade de um produtor garantir que os seus produtos alimentares cumprem as regras de saúde de higiene? E isso já não deveria estar repercutido no preço de venda à distribuição?

A Distribuição não precisa de defesa, pelo contrário. Embora seja importante distinguir as árvores - Continente e Pingo Doce - da floresta - um sector a atravessar uma profunda crise, o novo imposto alimentar 'produzido' por Assunção Cristas é uma forma, expedita, de sacar mais dinheiro aos contribuintes/consumidores em vez de avaliar os recursos financeiros que já são alocados a esta área e utilizá-los da melhor forma, de forma mais eficaz e eficiente. E sabe-se como a agricultura é um terreno muito fértil para fazer desaparecer dinheiro.

Se esta é a reforma do Estado que nos está prometida, o Governo não ter dificuldade em arranjar mais taxas e/ou impostos que sejam justificados pela necessidade de um qualquer produto ou sector. E ainda por cima, com as contas públicas garantidas.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 23:15
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds