Segunda-feira, 2 de Julho de 2012

A requisição civil, já!

O turismo nacional vai perder, nas próximas semanas, mais de 100 milhões de euros de receitas por causa das greves dos trabalhadores da NAV e da TAP, uma já desmarcada e outra que continua prevista. São hotéis, são restaurantes, são museus, é a própria companhia aérea portuguesa, enfim, é um País que não está apenas sob intervenção da 'troika', está também refém destas duas classes profissionais.

Os pilotos e os controladores aéreos têm, obviamente, direito à greve e a reclamarem os seus direitos, mas têm também a obrigação de usar respostas proporcionais às suas próprias reivindicações. E é isso que está em causa.

Senão, vejamos: O sindicato da NAV exigiam um reenquadramento da situação da empresa no quadro do Sector Empresarial do Estado, isto é, por palavras simples e directas, querem também ser uma excepção a juntar-se a outras excepções, nos cortes salariais. E, para isso, agendam uma greve, que iria bloquear o espaço aéreo português e não só os voos da TAP durante o mês de Julho. O sindicato dos pilotos vai mais longe, tem várias exigências, salariais, claro, mas também o afastamento de directores de operações de voo e de piloto-chefe, isto é, o sindicato quer substituir-se à administração na gestão da empresa. E, para isso, agenda greves para Julho e Agosto.

A simples comunicação de pré-avisos de greve é, aliás, tão grave como a própria greve. Neste sector, como é óbvio, qualquer cidadão ou empresa anula as suas viagens à mínima suspeita de paragem de aviões ou do funcionamento de um aeroporto. Por isso mesmo, a suspensão da greve da NAV não adianta (quase) nada, mostra, pelo contrário, que o Governo foi obrigado a ceder a uma chantagem e aceitou negociar sob pressão. Dirão os trabalhadores da NAV que este Governo nunca os tinha ouvido, mas seria necessário bloquear o País para serem recebidos pelo secretário de Estado dos Transportes ou pelo ministro da Economia?

O caso dos sindicatos dos pilotos é ainda mais grave. O SPAC é repetente nestas operações e vai ganhando, a cada greve, alguma coisa. Os pilotos sabem, além disso, que pode bloquear o turismo do País em pleno Verão e sabem também que este ruído é um problema quando o Governo está a montar a operação de privatização da companhia. E usam este poder de forma absolutamente descarada, sem cuidar de saber o que são as consequências dos seus actos. Ao ponto de exigir a substituição de quadros da empresa.

O Governo, hoje, já não tem nada a perder. Como no caso da NAV, a TAP está a perder todos os dias viagens já marcadas e, por isso, não deve simplesmente negociar ou sequer sentar-se à mesa das negociações com o sindicato. Deve avançar já para a requisição civil. 

 

publicado por concorrenciaperfeita às 21:17
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds