Segunda-feira, 19 de Julho de 2010

A PT tem futuro?

A PT continua sob o regime especial da ‘nacionalização temporária’. É esta a mais importante, e trágica, conclusão da decisão da Telefónica de retirar a oferta de 7,15 mil milhões de euros sobre os 50% que a PT tem na Vivo. Porquê? Porque a administração da empresa portuguesa continua a (não) decidir um negócio – e é disso que estamos a falar, de um projecto empresarial de telecomunicações – por razões políticas e não por razões económico-financeiras. Se queriam motivos para uma comissão de inquérito, esta sim importante e relevante, aí têm um.

Há uma expressão que sintetiza, na perfeição, o que se está a passar na PT: ‘a política destrói valor’. Sim, a política, essa actividade nobre, a mais nobre de todas, que é, por vezes, utilizada com outros fins. Menos nobres. E, provavelmente, essa destruição de valor vai começar a ser medida, já hoje, em bolsa, pela evolução das acções da PT. Exemplo: um ministro, Silva Pereira, fala, após um conselho de ministros, sobre um negócio que está a ser discutido, ao mesmo tempo, em conselho de administração da PT, para condicionar uma decisão que, diz ele próprio, é dessa administração.

Na sexta-feira, depois de mais um conselho de administração iniciado no dia anterior, a PT não conseguiu dar uma resposta à oferta da Telefónica. A empresa liderada por Henrique Granadeiro e Zeinal Bava pediu mais 12 dias para negociar, mas, do que se sabe, e não foi desmentido, a Telefónica estaria até disponível para pagar mais dinheiro. Não foi suficiente, não se sabe porquê.

Sabe-se que, às tantas, já não estamos a falar de um negócio e suspeita-se que qualquer que fosse o preço oferecido, não seria aceite. Não é um ponto de partida razoável. A Telefónica ‘fartou-se’ dos portugueses. Verdade seja dita, a Telefónica geriu este dossiê, literalmente, com os pés, mas sem a habilidade dos jogadores espanhóis que ganharam o campeonato do mundo de futebol. Acreditaram que estavam a negociar com uma empresa de um País de terceiro mundo. E desvalorizaram a força da opinião pública que, não percebendo nada do que está em causa, percebe uma coisa muito simples: vender aos espanhóis é igual a perder para os espanhóis. Isso foi, também, o que percebeu José Sócrates. Que levou a guerra ao limite, e ultrapassou-o. A corda partiu. E todos perdem, especialmente a empresa e quem nela investiu. E o País e o interesse estratégico que o Governo quer defender.

Agora, como é que vai ser o futuro: há, já, várias conclusões a retirar. A relação entre os accionistas de referência da PT, públicos e privados, está ferida de morte e vai ser, como com a Telefónica, um casamento de conveniência; a PT vai passar por uma situação de impasse e veremos durante quanto tempo, dependendo da guerra jurídica que vier a ser aberta pela Telefónica; E o primeiro-ministro vai ter de continuar a mandar na PT, até tudo isto acabar, e arranjar uma solução. Depois, espera-se, venha, enfim, o fim da golden-share. E o futuro da PT.

publicado por concorrenciaperfeita às 15:50
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De ricardo a 24 de Julho de 2010 às 03:09
1- Quando os accionistas compraram acções desta empresa já sabiam da existência da Golden share .
2- A GS existe e ao contrario do que se diz não existe nenhuma lei europeia que proíba o seu uso...
- Deve ser extinta pelos estados e é proibido o seu uso... são coisas diferentes
3- Outros países fizeram á pouco tempo uso desta ferramenta... porque é que Portugal não tem esse direito????
4- A meu ver (é apenas a minha opinião) temos mais a ganhar com a vivo do que com a telefónica
5- Se pensarmos bem quem achas que vai pagar o dinheiro que a telefónica esta a oferecer'?????
6- E não devemos todos achar ilegal a telefónica andar a fazer negócios por trás , por forma a cativar accionistas ... como é o caso do BES


De Anónimo a 30 de Julho de 2010 às 11:11
Parece que a urgência de escrever qualquer coisa sobre um tema a ferver, toldou ligeiramente os seus dotes de vidência. Gostei da parte em que atacou a opinião pública... Deixe-me deixar-lhe a minha: "Aos 30 dias do mês de Julho de 2010 (pouco mais de 10 dias depois de ter sido escrito) esta sua opinião tornou-se numa valente charada bem ao estilo do último filme de Cristopher Nolan". As minhas felicitações pelo excelente argumento. É destas opiniões criativas e bem fundamentadas que a "ignorante" opinião pública precisa.


Comentar post

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds