Quarta-feira, 25 de Julho de 2012

As notícias vão mudar

O que se dizia há um ano sobre o sistema financeiro e sobre os bancos, pode dizer-se hoje sobre os grupos de comunicação social. O programa de ajustamento - leia-se de empobrecimento - toca a todos, a publicidade está a cair a pique, não há capital próprio nem dos outros, os bancos. Por isso, no próximo ano, o sector vai mexer, os accionistas vão mudar, e os actores, ou a sua nacionalidade, curiosamente, até serão os mesmos.

Há, claro, uma operação que vai condicionar tudo o resto. A privatização de uma licença da RTP, provavelmente a do canal 2, parece inevitável, apesar de Miguel Relvas, de Pinto Balsemão e do mercado. A privatização do canal público tem riscos, isso é evidente, mas por razões conjunturais e não estruturais, para as televisões, mas também para os jornais, as rádios e o 'online'.

A partilha de receitas, já limitada, vai ter de ser feita por mais um 'player' e isso, obviamente, não é bem visto, num momento de mercado como o que se vive agora. Como os médicos controlam as entradas de novos médicos ou os advogados criam barreiras ao acesso à profissão. É dos livros, quem está, prefere estar sozinho a ter mais concorrência.

Há o outro lado, estrutural. O mercado está bloqueado, ninguém arrisca, ninguém quer fazer diferente, as tentativas para inovar são limitadas, e o operador que mudou a comunicação social em Portugal, a Impresa, de Francisco Pinto Balsemão, de facto, o último dos patrões-jornalistas, acaba por ser o seu maior obstáculo.

A chegada de um novo operador televisivo teria, terá, essa virtude, vai abanar o mercado, vai ser diferente, porque só sendo diferente é que será viável. Os novos negócios, que todos dizem procurar, vão ser o ADN do novo canal, qualquer que seja o accionista. E, neste ponto, os operadores, e particularmente a PT e Zeinal Bava, têm a responsabilidade de ajudar a desatar o nó.

 

A Impresa e a Media Capital, claro, têm o futuro preso pela decisão de Pedro Passos Coelho. Por razões bem diferentes.

Pinto Balsemão vai ser o novo 'chairman' da Impresa e Pedro Norton será promovido a presidente-executivo. É a passagem de testemunho esperada, sonhada, como reconheceu Norton ao estilo de André Villas-Boas quando chegou a treinador do Porto. Especialmente desde a separação litigiosa entre Pinto Balsemão e Nuno Vasconcellos (da Ongoing, dona do Diário Económico). Esta mudança abre um espaço que estava, até agora, fechado. A situação financeira da Impresa exige um novo parceiro, um novo accionista e mais capital, como já exigia há dois anos, e a reestruturação interna do grupo permite isso mesmo, sem que o patrão perca o toque. A transição está aí, e não foi só na gestão. Já sabemos como começou, só ainda não sabemos como vai acabar.

Os espanhóis da Prisa já anunciaram que têm tudo à venda. Em Espanha, mas também em Portugal. E a Media Capital deverá ser, mesmo, o seu activo mais relevante. A venda da Media Capital soa a 'injustiça', porque decorre das restrições e dos problemas financeiros graves em Espanha. Rosa Cullell, antiga jornalista de economia do El País, é a gestora-executiva e tem uma missão ingrata: defender a posição do canal líder de audiências e os seus resultados financeiros, criar novos negócios e fontes de receita e levar esta noiva a um qualquer altar. Que pague o que os espanhóis querem e precisam. Já sabemos que vai acontecer, só não sabemos quando.

E só falamos de televisão. Os jornais e as rádios estão na mesma, para pior.

 

Os dois grandes grupos de 'papel', a Cofina e a Controlinveste, pertencem a empresários que têm, hoje em dia, mais com que se preocupar. Paulo Fernandes tem a Altri, está na comunicação social como em qualquer outro negócio, e tanto olha para a RTP como vende no minuto em que lhe puserem um cheque à frente, com os zeros necessários. Joaquim Oliveira está no negócio do futebol, o seu 'core', que domina como ninguém, mas não está isento de riscos, e já se percebeu que quer estar de passagem num sector que não lhe vai deixar saudades.

Está escrito nas estrelas, os dois vão ser vendidos. Resta saber quando.

Sobram a Ongoing e a Sonae, grupos que não são de comunicação social, mas têm, respectivamente, 25% da Impresa e a marca líder de informação económica, e o diário de referência de informação generalista. Vão dançar ao som da música que vier a passar. A Renascença, essa, depende da decisão divina.

Há um excesso de oferta e do lado da procura só se vêem angolanos, que não conhecemos, e que até se podem dar ao luxo de escolher. E no momento em que o fizerem, se as eleições legislativas em Agosto o permitirem, vai ser como um dominó, as peças vão começar a cair e a questão é saber quem serão os novos donos do jogo.

 

No final do dia, o jornalismo precisa de mudanças, accionistas ou outras, precisa de romper o círculo vicioso em que caiu, por responsabilidades próprias e crises alheias. Porque o sector será tanto mais independente e credível quanto mais sustentáveis forem os órgãos de comunicação social. O maior risco, para o sector, para o próprio País, não são as pressões políticas, é a dependência económica.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds