Quarta-feira, 1 de Agosto de 2012

Um caminho das pedras

 

Os dois bancos portugueses que recorreram a empréstimos do Estado para cumprir o reforço dos rácios de capital imposto pelas autoridades já começaram a fazer o seu trabalho de casa. Mas Nuno Amado tem mais dores de cabeça do que Fernando Ulrich neste caminho, que só terminará no dia em que o Millennium bcp e o BPI pagarem os referidos empréstimos.

O Millenium bcp e o BPI estão, igualmente, capitalizados, mas partem de posições bem diferentes neste processo de ajustamento, desde logo porque o banco de Ulrich já tinha feito a desalavancagem - isto é, a diminuição do rácio de empréstimos e depósitos. Por outro lado, o BCP de Amado herdou, e continuará a ter, um balanço mais desequilibrado, que não se corrige em seis meses. Dois factores, entre outros, que devem ser tidos em conta neste processo de ajustamento, importante porque afecta a política de crédito e financiamento à economia.

Dito isto, Nuno Amado apresentou um prejuízo de 544,2 milhões de euros, pior do que o previsto, enquanto o BPI revelou um lucro 85,1 milhões de euros, melhor do que o previsto. Gestão das expectativas à parte, porque os mercados, os analistas, os investidores e até os jornalistas são influenciados por isso, constata-se que Amado tem um problema que deveria resolver já, porque será um factor permanente de instabilidade, e de prejuízos, nos próximos anos. Sem esperar pela decisão da Concorrência europeia, o BCP deveria vender as suas posições na Grécia e na Roménia. Já.

O que foi, em tempos, uma vantagem competitiva do BCP face ao BPI - a diversificação geográfica das suas operações - é hoje um passivo. A Grécia é um factor de risco, especialmente para um banco, e a incapacidade política, europeia e dos gregos para ultrapassar esta crise antecipa que essa ameaça não vai ser ultrapassada nos próximos anos. E foi a Grécia a pesar, e muito, nos mais de 500 milhões de euros de prejuízos e a ameaçar as próximas contas, como deixou perceber Amado na conferência de sexta-feira passada. Das outras operações internacionais, sobra apenas a Polónia, porque Angola e Brasil são estratégicas, mas não têm dimensão.

Fernando Ulrich surpreendeu, e não foi apenas pelas palavras da conferência de imprensa. Nos últimos anos, foi a operação angolana a garantir os resultados do BPI, e a compensar uma degradação da operação doméstica. Ulrich e os accionistas do BPI pagaram caro a fé na dívida pública grega, mas, arrumado esse assunto nas contas de 2011, este ano o BPI garantiu uma subida dos lucros em Portugal, contra uma descida dos lucros em Angola.

Os resultados do Millennium bcp e o BPI serão avaliados, trimestre após trimestre, sob um prima, a capacidade de os dois bancos devolverem ao Estado o que lhe pediram emprestado, sob pena de aqueles empréstimos se transformarem em acções, leia-se, uma nacionalização parcial, no prazo de três a cinco anos. A contagem decrescente já começou e será a medida do sucesso de Amado e Ulrich.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 14:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds