Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012

A transição em Angola começa hoje

Os angolanos vão hoje às urnas para umas eleições legislativas, as terceiras da Democracia, cujos resultados, verdadeiramente, só serão conhecidos a prazo, quando se verificar uma mudança de poder, e de Presidente da República. A transição, essa, começa hoje.

Os portugueses, alguns, continuam a não perceber o que tem sido a dinâmica política, económica e social de Angola dos últimos anos e, sobretudo, representa o crescente volume de investimento em Portugal. Nos últimos dez anos, dizem-nos os dados, o investimento de empresas e empresários angolanos no mercado português cresceu 35 vezes, e em sectores absolutamente estratégicos, como a banca e a energia. Este caminho tem muitas explicações, algumas menos bondosas, outras que resultam do estado de necessidade crescente, e de emergência, a que chegámos.

Angola não é, ainda, uma Democracia tal como a entendemos na Europa, está a fazer o seu caminho, e estas eleições são mais um passo, mas é importante que deixemos os cinismos e as hipocrisias de lado, que abundam na sociedade portuguesa. Porque sabemos, também, das centenas de milhar de portugueses, milhões talvez, que viajaram para Angola na última década, muitas vezes à procura do lucro fácil, e do benefício da corrupção que tanto criticam ao regime angolano. Também nos sentamos à mesa do regime.
José Eduardo dos Santos é o segundo Presidente da República com mais tempo de mandato em África, a economia do petróleo permitiu construir milionários de um dia para o outro, e muitos deles acabaram por usar esse dinheiro em Portugal, por detrás de empresas sem rosto ou nome, apenas para o tirar do sistema, para legalizar o que não podia continuar debaixo do tapete em Luanda. Mas Portugal também beneficiou de investimentos de empresas como a Sonangol - uma empresa pública do Estado angolano - ou de uma empresária que deixou de ser ‘apenas' a ‘filha do Presidente, Isabel dos Santos, para citar apenas dois casos, que o fizeram de forma profissional e, mais do que isso, suportaram empresas críticas para a economia portuguesa.

Estas eleições são mais um passo de uma transição política, de um Estado que já foi de um homem só, que é ainda de um partido e que vai ser, necessariamente, de um povo. Mas tem de ser uma transição suave, institucional, que dê tempo às instituições, à sua credibilização institucional, sob pena de lamentarmos, em Portugal, ter passado mais tempo a criticar um regime de que muito beneficiamos do que a apoiar a sua democratização plena.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:07
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds