Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011

Portugal está melhor hoje, dia seguinte à greve?

 

Portugal viveu ontem um dia de greve, contra a austeridade e a reforma do Estado que vai, necessariamente, pôr fim a direitos e hábitos estabelecidos. É, obviamente, legítima e, dada a magnitude do empobrecimento organizado que o País vai viver nos próximos anos – sem o qual não poderemos regressar ao crescimento – até compreensível. Mas, hoje, dia 25, estamos melhor do que estávamos no dia 23? Não, não e não.

Em primeiro lugar, é preciso desmistificar dois pontos prévios que costumam dominar a discussão no dia seguinte à greve. Não vale a pena centrarmos a discussão na guerra dos números, nos dados do Governo e no dos sindicatos. Uma greve geral é uma greve geral e, por isso mesmo, tem impacto na economia e na vida das pessoas. Como se viu nos transportes, na educação e na saúde, por exemplo. E esta também teve. E também não é o caminho mais correcto discutir o que custa uma greve de um dia na economia, porque é apenas um dia, e porque a greve é um direito constitucional, não é um custo financeiro.

Dito isto, a greve geral de ontem cria outro tipo de problemas, internos e externos.

Um dia depois do manifesto de Mário Soares e de outras personalidades com responsabilidades políticas e cívicas no País, que compara, de forma muito infeliz, a situação portuguesa à revolução das ‘ruas árabes’, a greve geral quase redundava num confronto grave entre manifestantes e grevistas, à ‘porta’ da Assembleia da República. É certo que os denominados ‘indignados’ que acamparam nas escadarias do Parlamento não são nem devem ser confundidos com os trabalhadores que contestam o aumento dos impostos e o desemprego, são, muitos deles, estudantes e membros de movimentos anarquistas e que vivem à margem do sistema. Mas que, obviamente, ganham força, até mediática, num dia como este. Está aqui um problema mais grave do que a própria greve, e que é a criação de um ambiente de instabilidade social irrespirável e que tornará impossível o caminho que temos que fazer. Faço, além disso, disso mea culpa: também porque os meios de comunicação social mostram à exaustão os que estão em greve e não os que estão a trabalhar, felizmente muitos, que estarão também descontentes mas que percebem que a greve não é a solução.

Depois, externamente, fomos, por um dia, mais parecidos com a Grécia, isto é, as imagens que passaram no mundo foi de um País parado e, pior, incapaz de perceber o que está em causa. Também isto não corresponde, felizmente, à verdade. Mas cria, internacionalmente, junto dos mercados, junto da ‘troika’, junto dos líderes europeus, a ideia de que os portugueses vivem ainda na ilusão. De que é possível continuar a viver à custa do dinheiro dos outros, e não do que produzimos. Não é.

Por isso mesmo, o Governo não vai mudar nada de substantivo no programa de austeridade financeira que apresentou ao País para os próximos anos.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:27
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds