Terça-feira, 4 de Dezembro de 2012

Estamos a construir um País que não queremos

A discussão em Portugal está dominada pela redução do défice público de 2012 e 2013, pelo pessimismo do Natal, pela necessidade de andar à boleia da Grécia, pela conjuntura. Mas o nosso problema colectivo é bem mais complexo e não está nas primeiras páginas: nascem menos portugueses, estamos a perder os mais qualificados e a aceitar, progressivamente, os menos qualificados. Assim, não temos futuro.

O longo prazo faz-se, claro, da soma de curtos prazos. É, preciso, ainda assim, ter uma visão, dar objectivos e uma perspectiva do que poderá ser o nosso futuro. E é isso que não temos, como se percebe por notícias como as que revelamos nesta edição do Diário Económico (ver página 12). Não é possível atrair quadros qualificados sem economia, mas não é seguramente possível aspirar a ter uma economia com perspectivas de crescimento sem qualificações, internas e externas, leia-se, dos portugueses que estão a fugir do País e dos estrangeiros que já não olham para Portugal como uma oportunidade.

O programa de ajustamento económico é necessário, para corrigir os desequilíbrios, mas não pode ser, ele próprio, o cadafalso da nossa recuperação. Este padrão e este perfil de desenvolvimento, assim, vão condenar-nos a uma pobreza que não será conjuntural, a uma correcção dos desequilíbrios económicos e financeiros que não nos permitirá inverter três variáveis críticas, os nascimentos, a emigração e a imigração, isto é, a demografia.

Já não é a primeira vez que somos um destino de imigração pouco qualificada. Esta imigração, pode dizer-se, é um indicador avançado do que será a evolução económica do País nos anos seguintes. Os portugueses sem emprego são, apesar de tudo, portugueses, têm aqui as suas raízes, familiares e profissionais. Emigram como solução de último recurso e, mesmo os mais qualificados, sabem que nem todas as experiências correm bem, sobram apenas as bem sucedidas, que servem de exemplo.

Nos últimos 20 anos, Portugal foi um País de destino de imigrantes da Europa de Leste, mais qualificados do que os tradicionais brasileiros ou africanos. Foi um movimento migratório que contribuiu para suportar uma economia que, mesmo assim, apresentou um comportamento quase estagnado.

Este perfil migratório acentua ainda mais os nossos desequilíbrios, económico-sociais e financeiros. Teremos uma população activa menos preparada e menos qualificada e menor para fazer face aos encargos com a nossa população crescentemente envelhecida.

A evolução recente dos nascimentos, dos emigrantes - que financiamos durante anos para criarem valor em países terceiros - e dos imigrantes pouco qualificados que não têm espaço nem oportunidades nos seus países de origem revela que estamos a construir um País que não queremos. É aqui, nesta dimensão, que Pedro Passos Coelho está a falhar, porque não se adivinha o que poderá ser o dia seguinte à 'troika', mesmo com o regresso aos mercados e a independência financeira da nossa economia. Ou melhor, adivinha-se, e por estes movimentos, teme-se o pior.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:23
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds