Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Liberdade de imprensa

Portugal teima em saltar de uma crise para outra, da financeira para económica, da social para a política, num processo autofágico que não poderá ter senão um final infeliz, para todos.

Desta vez, na sequência da divulgação das escutas sobre o processo Face Oculta e das revelações sobre um alegado plano do Governo para controlar a comunicação social.
Três dias depois das primeiras notícias, e já com uma sucessão de declarações sobre o tema, do primeiro-ministro, do Presidente da República, dos mais altos magistrados da Nação e dos partidos da Oposição, fica claro que o pior que José Sócrates pode fazer é assobiar para o ar e/ou optar por fazer apenas declarações de indignação sobre uma possível violação do segredo de justiça.

A divulgação das escutas tem, de facto, duas leituras: uma de carácter jurídico e judicial e outra de cariz político. Se, ate à sua divulgação e eventual violação da lei, a questão judicial e criminal se sobrepunha a política, hoje, estão ao mesmo nível.

Alguém, alguma autoridade, tem de dizer ao país se a divulgação de escutas é ou não um atentado à lei e ao Estado de Direito. E agir em conformidade, desde logo para que a liberdade de imprensa não ande de mãos dadas com a irresponsabilidade de imprensa. Depois, o Procurador da República e o presidente do Supremo Tribunal têm de vir a público explicar porque é que não consideraram procedentes as suspeitas de ‘atentado ao direito'. Mas isso, hoje, já não chega.

Não é de esperar que seja o primeiro-ministro a comentar conversas privadas entre terceiros, mas, dito isto, tem outras coisas a dizer. E tem de perceber que o seu silêncio não vai ser suficiente para silenciar a discussão política. Aliás, quanto mais depressa o tema for encerrado, mais depressa o Governo, a oposição, os empresários, enfim, todos poderemos estar concentrados nos problemas estruturais que afectam o país e que tanta atenção estão a merecer dos mercados e investidores internacionais. Na economia, no emprego, nas contas do Estado.

A iniciativa do PSD de levar o tema à comissão de ética e a anunciada comissão de inquérito parlamentar proposta pelo Bloco de Esquerda em torno da liberdade de imprensa e do controlo da comunicação social deve ser apoiada pelo PS. É do interesse de Sócrates esclarecer o assunto e as suspeitas suscitadas pela transcrição de escutas que, não tendo relevância criminal, têm relevância política. Porque pior do que o seu silêncio é a ideia de que os visados (e os escutados propriamente dito) não têm outras explicações para além das que resultam da leitura de frases e palavras soltas, sem o seu contexto, transcritas num despacho judicial e na sua publicação.

As pressões sobre jornais e jornalistas por parte do poder político e do poder económico sempre existiram, não são de hoje, não nasceram com José Sócrates, e vão continuar quando o actual primeiro-ministro deixar as suas funções. E os exemplos, na história recente de Portugal, são vários e em diversos órgãos de comunicação social. Cabe, por isso, aos jornais e jornalistas, aos órgãos de comunicação social salvaguardarem a sua independência, isto é, a autonomia para seguirem a linha editorial que entenderem por decisão própria e sem interferências e ingerências externas.

Ora, José Sócrates tem, objectivamente, razões de queixa da comunicação social. Foi, é, o primeiro-ministro mais atacado e mais pressionado pelos media - às vezes por responsabilidade própria, por actos e omissões - mas esse é um risco que vem agarrado à função que desempenha. Tem de existir uma avaliação pública dos actos dos governos, de todos, e é sempre preferível um erro com liberdade de imprensa a qualquer forma de censura. A forma como o primeiro-ministro geriu, ao longo de mais de cinco anos, essa relação foi, é, também única.

Sócrates tem agora, pelas piores razões, isto é, a divulgação de escutas, uma boa oportunidade para esclarecer de uma vez por todas o seu posicionamento em relação à comunicação social, sob pena de ficar para a história pelo que quis fazer e não pelo que fez.

publicado por concorrenciaperfeita às 18:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds