Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

O que os empresários ainda não perceberam

 

 

Os empresários andam entretidos a discutir as políticas mais ou menos conservadoras dos bancos na concessão de crédito, como se a o principal problema do país fosse a falta de crédito na última década, mas ainda não perceberam que os níveis de exigência e de gestão de risco vão ainda aumentar por causa do novo modelo de resgate dos bancos europeus. E bem.

A economia portuguesa, é certo, tem hoje um problema de acesso a financiamento, demasiado caro quando comparado com o de outros países europeus, e isso torna difícil uma reorientação do financiamento dos bancos, que deixaram de emprestar a quem não deviam mas ainda não estão a financiar o que deveria ser financiado. Logo, a reestruturação da própria economia será necessariamente mais lenta, quando todos pedem urgência. É, claro, o preço que estamos, colectivamente, a pagar por uma economia que viveu, mas não cresceu, à custa do crédito, sem avaliação de risco, sem critério. A história do passado recente do país é conhecida, mas os empresários - e muitos políticos - continuam a promover a discussão no mesmo enquadramento, como se nada tivesse mudado. E mudou, como os cipriotas já perceberam, à sua própria custa.

Todos - empresários incluídos - pedem a união bancária como se fosse a solução de todos os problemas, como se, a partir desse momento, a banca pudesse emprestar como o fazia antes da crise de 2008/2009. Não é verdade, em nenhum dos casos. E ainda bem. A saída para a crise, para as empresas, para o investimento, tem de passar por outras coisas, desde logo, gestão.

A união bancária visa separar o que se considera o risco dos bancos do risco dos países, peça essencial em particular para países intervencionados como Portugal, porque permitirá que os bancos tenham acesso a financiamento a um preço competitivo, independentemente da situação económica e financeira do próprio país. Isto não será, nunca, assim, porque um banco exposto a uma economia não pode, como é evidente, separar o seu risco do risco país. Mas, dando esta questão de barato, há outra dimensão que vai mudar as práticas de gestão bancária, e torná-las mais exigentes: a união bancária, a criação de um fundo de garantia europeu de depósitos e de um fundo de resolução, é a peça que falta para mudar o modelo de resgate dos bancos, que tem sido, basicamente, suportado pelos contribuintes.

O regime de intervenção já deveria ter mudado, os contribuintes já deveriam ser os últimos a pagar a salvação dos bancos, os accionistas, claro, têm de ser os primeiros, mas, logo a seguir, vêm os depositantes acima dos 100 mil euros, como determina a lei europeia. E bem. Ora, este risco, isto é, a partilha de custos de uma salvação de um banco por accionistas e depositantes só pode ser gerido com uma gestão mais prudencial, mais exigente. A pressão sobre os banqueiros vai aumentar, não só dos accionistas, porque essa já existe, mas, novidade, dos depositantes. E isso vai ter uma consequência: mesmo com um acesso a financiamento mais acessível, a avaliação de risco das empresas vai mudar, vai ser mais restritiva, e as diferenças de 'pricing' vão reflectir isso mesmo. Porque o dinheiro que um banco tem à sua guarda - e que é a principal fonte de 'funding' para financiar quem precisa de dinheiro - é dos clientes, é de quem confia na responsabilidade de gestores.

 

 

publicado por concorrenciaperfeita às 07:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds