Segunda-feira, 27 de Maio de 2013

Prejuízos dão bónus

Maria da Conceição Leal era, até há semana passada, uma ilustre desconhecida administradora do Banif no Brasil, que passou a ser conhecida porque beneficiou de um prémio de cerca meio milhão de euros relativo a 2011 numa instituição bancária que foi, literalmente, nacionalizada em Janeiro deste ano. O que está muito mal neste quadro, e exige explicações?

Comecemos pelo início: Conceição Leal era administradora do banco no Brasil, esteve na gestão anterior e foi a única a passar para a nova equipa, já sob a responsabilidade de Luís Amado e Jorge Tomé e, como se confirmou na passada sexta-feira, o Banif confirmou o que se suspeitava, a sua história não era saudável, particularmente no Brasil, isto é, detectou imparidades de 92 milhões de euros nas contas de 2012 e decidiu instaurar uma acção de responsabilidade civil contra os ex-directores da sua subsidiária brasileira. A história do Banif no Brasil, provavelmente, ainda não está toda contada e só se sabe alguma coisa porque somos, todos, contribuintes, donos de mais de 99% do capital do banco.

O que choca, e surpreende, neste caso, não é a atribuição de um prémio de meio milhão de euros no banco nacionalizado, porque, de facto, não foi isso que sucedeu. O prémio, do que se sabe, foi pago em meados de 2012 pelos resultados de 2011, portanto, bem antes da entrada do Estado no capital do banco. É a atribuição de um prémio a uma gestora que integrou uma equipa que teve dezenas de milhões de prejuízos, eventualmente centenas, e que pesam e muito nas contas do banco e são também responsáveis pela necessidade dos accionistas do Banif de recorrerem a uma ajuda do Estado.

Maria da Conceição Leal é responsável, por acto ou omissão, dos prejuízos do Banif no Brasil e, por isso, é incompreensível que seja beneficiada com este prémio. São decisões destas que minam a credibilidade de uma gestão, interna e externamente. Porque se há prejuízos, eventualmente até com suspeitas de crime, como se percebe do próprio comunicado do Banif de sexta-feira, que obrigam a cortes, a rescisões, a emagrecimento de estruturas, como sucedeu no Banif no Brasil, não é aceitável que uma administradora tenha acesso a prémios.

Luís Amado e Jorge Tomé foram imprudentes na decisão de atribuição deste prémio, mesmo que Maria da Conceição Leal não tenha tido uma acção directa nos problemas no Brasil, que, diga-se de passagem, ainda não foi clarificada. Já tinham sido ousados quando decidiram mudar toda a equipa e manter esta administradora, e agora acabam por ser co-responsáveis pelo que sucede, que um comunicado não chega para resolver o problema, porque não explica o essencial. Quando, ainda por cima, está por perceber se o Estado vai acabar por ficar como accionista único do Banif.

 

PS: O ano empresarial Portugal-Brasil terminou na semana passada com uma conferência em São Paulo que prometia juntar líderes empresariais e autoridades políticas dos dois países. Acabou por ser um espelho do que é hoje a relação - ou a ausência dela - política e institucional dos dois países-ditos-irmãos. Ficaram apenas as promessas, o esforço do sector privado - de Miguel Horta e Costa e de José Maria Ricciardi - e o esquecimento total a que Dilma Roussef votou não só o encontro da semana passada, como a iniciativa que arrancou em Setembro do ano passado. Portugal não conta para o Brasil, nem como porta de entrada na Europa, porque o Brasil pode hoje dar-se ao luxo de escolher, o Governo português é ostensivamente ignorado pela racional Presidente brasileira, ao contrário da relação emocional de Lula da Silva, também muito suportada na amizade com José Sócrates. Qual é a lição? A diplomacia portuguesa, leia-se Paulo Portas, tem de mudar de estratégia, as empresas e os empresários portugueses podem e devem apostar no Brasil, as exportações para aquele país não chegam a mil milhões de euros, mas devem contar com a sua competência. Sem vantagens particulares, menos ainda favores.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 07:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds