Segunda-feira, 8 de Julho de 2013

Presidente e País têm de aceitar o casamento de conveniência

 

 

João Moreira Rato é provavelmente o português que está a passar a semana mais louca dos últimos dois anos, por causa de uma crise política desnecessária e cujos resultados - a confirmar-se o 'novo' Governo - poderiam e deveriam ter sido obtidos de outra forma se Paulo Portas e Pedro Passos Coelho tivessem pensado, primeiro, no País.

O presidente do instituto que gere a dívida pública portuguesa não deve largar o telemóvel para explicar o, ainda hoje, inexplicável a investidores que acreditaram no Governo português e voltaram a emprestar dinheiro ao País na última emissão a dez anos, em Maio. E para garantir que, desta vez, é que é, Portugal tem um 'novo' Governo de coligação, agora, é que está mesmo sólido e vai fazer o que ainda não fez.

A história desta crise começa, mesmo, na demissão de Vítor Gaspar e, sobretudo, na carta que deixou, não a Pedro Passos Coelho, mas aos portugueses. O ex-ministro das Finanças foi decisivo para a recuperação da credibilidade do país, foi o rosto do Governo, mas não percebeu, a tempo, o que estava a fazer de errado, e não soube ajustar o programa de ajustamento. É tão fácil quanto indesculpável - e revelador - atirar agora as responsabilidades para Passos Coelho e para a coesão do Governo, mas a missiva de Gaspar foi o mais relevante acto de oposição ao Governo, ao que não fez e ao que não vai fazer nos dois anos que faltam.

 

Vítor Gaspar saiu da pior forma, sem honra nem glória, e foi, assim, o rastilho de uma decisão precipitada de um ministro que por experiência e formação, deveria ter sido o último a colocar em causa a estabilidade política e financeira de Portugal. Maria Luís Albuquerque foi apenas um pretexto numa guerra entre Portas e Passos Coelho.

Paulo Portas reviu-se na carta de Gaspar, o que não deixa de ser irónico tendo em conta a má relação entre os dois, e aproveitou para sair, para pôr os seus interesses à frente dos do partido, e os do partido à frente do País. Cansou-se de Passos, como Gaspar. O problema é que o País não pode escolher, e o Presidente da República também não, porque está sob intervenção externa, uma intervenção que tinha e tem um objectivo final, a recuperação da independência financeira.

Portas pôs isso em causa, jogou 'poker' com Passos e com os portugueses, também, é certo, porque o primeiro-ministro o afastou das decisões de forma ostensiva  e, agora, cedeu em toda a linha.

Portugal vai ter um 'novo' Governo. O que Passos Coelho anunciou - e ainda não se sabe tudo - é muito mais do que uma remodelação, é uma alteração das relações de poder entre Passos e Portas, entre o PSD e o CDS, é um 'novo' Governo sem eleições, que vai passar seguramente por uma refundação do seu programa de acção e por um novo acordo com a 'troika', venha este a ter o nome e os contornos que tiver. Aliás, só isto pode justificar a permanência do ministro 'irrevogável', tem de ser mais do que um novo ciclo, tem de ser uma nova política e um novo acordo.

Estará, aqui, provavelmente, uma das razões para a promoção de Paulo Portas. O crime compensou, Portas deu um tiro na credibilidade do Governo e acaba como vice-primeiro-ministro. Passos Coelho revelou sentido de Estado, aguentou o que outros não aguentariam, aceita o vexame de passar a ser encarado como o primeiro-ministro 'sombra' de Portas e tenta fazer o equilíbrio entre a imagem externa de que tudo continua na mesma e a realidade interna, de que tudo muda. Passos fica no meio do caminho. Claro, também responsabiliza Portas. É como diz o povo, mantém os teus amigos próximos e os teus inimigos ainda mais próximos.

 

O'novo' Governo viverá num paradoxo: a coligação é mais forte, os dois partidos estão mais 'amarrados'  - até por causa do objectivo de se candidatarem em lista única às europeias dentro de um ano - a orgânica do Governo é a que deveria ser desde o início, independentemente dos nomes que vierem a ser escolhidos, mas o seu sucesso depende do ministro mais desacreditado e ferido de credibilidade, precisamente Paulo Portas.

O novo 'vice' - que mais parece o 'primeiro' - tem todas as responsabilidades, pelo menos as mais relevantes, isto é, a coordenação das pastas económicas, a relação com a 'troika' e ainda a reforma do Estado. O Governo passa a ter dois centros de poder, de facto e de direito, o CDS é o mais pequeno dos partidos da coligação, mas tem um peso brutal nas pastas decisivas. Porque, além de Portas, e de Cristas, Pedro Mota Soares está na Segurança Social e ainda deve assumir a área do trabalho.

Tudo isto faria sentido se não tivesse existido este filme de série B, que nos custou meses de credibilidade e milhares de milhões de dinheiro. Só uma nota: a Standard & Poors demorou mais de um ano a passar o 'outlook' de Portugal de negativo para estável, mas bastou uma semana para o 'cortar' novamente para negativo. E esta é uma condição essencial para a revisão do rating da República Portuguesa, por seu turno, condição sine qua non para o regresso aos mercados, mesmo para um regresso efectivo.

 

Portugal está hoje mais longe de um regresso aos mercados, e mais perto do segundo resgate. E se isso suceder, ninguém lhes perdoará, sairão, os dois, pior do que José Sócrates, e não haverá espaço televisivo que lhes valha, nem dez anos depois. O 'novo' Governo - uma clarificação desta crise política sem eleições antecipadas - é uma condição necessária, mas está muito longe de ser suficiente para evitarmos o precipício. Porque, de tudo o que se passou nos últimos oito dias, só existe uma virtude: a interiorização de que está ainda muito por fazer, o susto que se transformou em pesadelo e em medo, a confirmação de que os últimos dois anos foram um começou de um ajustamento que, mesmo corrigidos os erros, não terminou nem vai terminar no fim deste acordo com a 'troika' e das visitas trimestrais a Lisboa de técnicos qualificados.

Na política, o que é verdade hoje é mentira amanhã e se Paulo Portas está descredibilizado - até já tem direito a cartazes na volta à França, ao melhor estilo de Miguel Relvas há um ano - a forma como conduzir as relações do país com a 'troika' poderá ser o seu renascimento. Portas é o novo Gaspar de Passos Coelho, é ainda mais, tem mais poder, porque tem o poder funcional e o poder político, e vai tentar um novo acordo, um segundo resgate sem esse nome, um programa cautelar como estava previsto apenas para Julho de 2014, mas de carácter reforçado. Não bastará a revisão da meta do défice público de 4% para 2014, será muito mais.

 

Cavaco Silva vai vender cara a derrota, porque é disso que se trata, a forma como o Governo destratou o Presidente da República, logo este, que se atravessou por ele, mesmo discordando de muitas das opções de política económica e financeira, não merecem outra resposta. E a sorte do Governo é o estado de necessidade do país, que retira qualquer margem efectiva de intervenção do Presidente e as eleições antecipadas. Por responsabilidade própria, porque afastou o PS, porque hipotecou a sua margem de intervenção. Agora, vai fazer de conta que as reuniões dos partidos vão ser determinantes na decisão de dar posse ao 'novo' Governo. Mas vai ter a oportunidade de voltar a ser o referencial, e a balança entre Passos e Portas e Seguro. Porque este casamento de conveniência é, para já, o melhor lhe pode, e nos pode, suceder. 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds