Quinta-feira, 11 de Julho de 2013

É pior a emenda do que o soneto

Cavaco Silva conseguiu fazer o que parecia impossível depois dos últimos dez dias de crise política em que o País está mergulhado, acrescentou mais confusão e incerteza, tão desnecessária e inexplicável como a que foi criada por Paulo Portas e Pedro Passos Coelho. O Presidente da República passou para o centro da decisão política em Portugal da pior forma, sem assumir as responsabilidades que deveriam ser suas, e 'matou' este Governo. Só falta saber quando é o enterro e, a partir de agora, quanto mais tarde for, pior.
Em primeiro lugar, a proposta do Presidente da República é clara, mas pelas piores razões, e contraditória nos termos. E não agrada a ninguém. Cavaco Silva tem razão quando diz que o País vive momentos de excepção e que as eleições antecipadas, agora, teriam consequências absolutamente nefastas. Aliás, os primeiros 12 minutos de uma intervenção que durou quase 20 foram suficientemente claros do ponto de vista das consequências económicas e financeiras para assustar os portugueses sobre o que está em causa.
Depois da crise da última semana, Portugal ficou mais perto do segundo resgate, por responsabilidade exclusiva do próprio Governo, os mercados, e os credores, deixaram saber que não estavam dispostos a acreditar na capacidade do Estado português de cumprir os compromissos que assumiu com a 'troika'. Os juros implícitos na dívida pública dispararam e a PSI20 deu um trambolhão. Felizmente, como Portugal tem o seu financiamento assegurado em 2013, o segundo resgate só se colocaria em 2014. Mas ficaram os avisos. A crise aproximou-nos desta novo resgate e de mais austeridade.
Ora, a solução política apresentada por Passos Coelho e Paulo Portas, necessariamente forçada e que suscita legítimas, para dizer o mínimo, dúvidas de credibilidade, era um mal-menor, precisamente para evitar o desastre que Cavaco Silva identifica. E para levar o País até Julho de 2014, quando termina o acordo com a 'troika' que está agora em vigor. Mereceu, por isso, até o apoio explícito dos líderes europeus nos últimos dias.
Cavaco Silva disse que o Governo está em funções, mas deixou saber que não o quer, pelo menos não quer os seus líderes. E quer o PS e António José Seguro, que, sabe Cavaco, não quer apoiar ou integrar nenhuma solução sem eleições imediatas. Justiça seja feita, foi o PS o único dos partidos do arco de Governo a fazer uma declaração clara sobre a intervenção do Presidente. Sem a retórica vazia do PSD e do CDS. Mas Cavaco desresponsabiliza-se de assumir uma opção, não assume uma decisão e espera que outros o façam, por si, ou não o façam, e sejam responsabilizados por isso.
Perante a análise política do Presidente da República, só poderia haver uma de duas soluções: eleições antecipadas em Setembro, com os riscos que o próprio identificou, ou a manutenção deste Governo em verdadeira plenitude de funções, para cumprir o memorando da 'troika'.
A terceira saída para esta crise - que vai ter seguramente consequências já a partir de hoje nos mercados - é a escolhida por Cavaco, a que se depreende da proposta de Cavaco, ou seja, um Governo de iniciativa presidencial. Mas, mesmo que os partidos do governo aceitem 'correr' com Passos e Portas, o que está longe de ser certo, como é que é possível admitir que um Governo sem legitimidade política pode cumprir um memorando tão exigente e aguentar em funções até Junho de 2014?
Cavaco Silva não gosta destes líderes do PSD e do CDS, estará, até, legitimamente, zangando com a forma como foi destratado em todo este processo. Mas a sua resposta é a pior solução para o País e tenta ser a melhor solução para si, para salvar a sua posição. Mas engana-se, porque, a partir de agora, deixará também de ter o apoio do PSD e do CDS. De uma assentada, Cavaco acabou com este Governo, que deixou de ter condições para exercer as suas funções, acabou com a réstia de apoio que tinha e fragilizou o País e o regresso aos mercados.
publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds