Segunda-feira, 22 de Julho de 2013

O regresso de Pedro

As cartas estão marcadas e, agora, só uma reviravolta poderá evitar o que é verdade hoje, à hora a que estiver a ler este texto: não há acordo de salvação nacional, a austeridade e o crescimento não se encontraram e o Presidente da República vai ter de 'aprovar' o novo Governo de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas ou mandar o país para eleições antecipadas.
A crise ainda não acabou, e em política tudo é possível, mesmo quando parece impossível, como parece ser a possibilidade de um compromisso entre o PSD e o PS - o CDS, aqui, está literalmente ao centro, como um dia disse Freitas do Amaral - desde que o Presidente da República entendeu dar um raspanete aos partidos, classificá-los de irresponsáveis e transformar-se no personagem central da vida política portuguesa.
A primeira consequência desta crise é verdadeiramente uma ironia: o país está em crise económica e social profunda, o plano de ajustamento com a 'troika' teria sempre consequências, mas esgotou-se e não foi renegociado por responsabilidade directa do Governo e é por causa de uma crise interna à coligação que Cavaco Silva decidiu abrir um novo ciclo político no país. Apesar disto tudo, a primeira vítima deste processo é António José Seguro, que já perdeu. Porquê? Porque não controlou o processo, deixou-se controlar por ele, porque entrou em contradição entre as negociações e o voto favorável à moção de censura. Porque já não tem margem para dizer 'não' a históricos do passado e a históricos mais recentes, como Soares e Sócrates.
Os históricos do PS - curiosamente os dois que tiveram de chamar o FMI para salvar o país da bancarrota - acreditam mesmo que é a flexibilidade da 'troika' que garante um acordo? Que não há uma restrição financeira activa que obriga a outra política, que dependemos de terceiros, dos nossos credores e da sua avaliação da nossa capacidade de pagar a dívida? Ou será, precisamente, ao contrário, só um acordo poderá garantir uma margem de manobra - a possível para quem ainda não deu um passo na reforma do Estado - para rever as condições do ajustamento?
António José Seguro só poderia ter entrado neste processo se estivesse de facto convencido da necessidade de um acordo substantivo e com conteúdo. Se não queria aceitar cortes de despesa, e compromissos, cuja necessidade é evidente, em torno destes objectivos, deveria ter clarificado a sua posição. Ao não fazê-lo, ao seguir o exemplo de Cavaco Silva, ao preferir uma não-decisão, acabou encurralado.
Cavaco Silva, esse, já começou a introduzir nuances no discurso, a preparar o que não quis antecipar ontem, a partir das Ilhas Selvagens. Mas é melhor começar já a escrever o discurso de explicação aos portugueses, um que se perceba à primeira, que dispense 'cavacólogos' a saltar de televisão em televisão. Um discurso que explique porque é que decidiu seguir pelo caminho mais longo, e com custos eventualmente irreparáveis, em vez do caminho mais simples, porventura o mais difícil porque exigiria a assumpção de responsabilidades no imediato e não a culpabilização de terceiros mais tarde.
A terceira consequência é um novo fôlego de Pedro Passos Coelho, quase que em resposta à carta de Vítor Gaspar, às críticas implícitas de falta de liderança. O primeiro-ministro revelou-se e ganhou perante o país, nos últimos 19 dias, uma capacidade política perdida, reforçada ainda por cima quando, ao lado, tem um líder do CDS que esteve na origem da crise e um líder do PS estilhaçado.
O primeiro-ministro tornou (mais) verdadeira a ideia de que uma crise é uma oportunidade. Nem tudo está pior, e é evidente que o simples facto de um país, ou uma empresa, ou uma família deixarem de poder viver a crédito teria sempre consequências. Poderia e deveria ter menos, porque, como Vítor Gaspar confessou, de forma cândida, a reforma do Estado, o mais importante, ficou para o fim. A partir deste momento, Passos tem outra legitimidade, até perante Cavaco Silva, para governar, nas suas condições e nos seus termos, até ao fim da presente legislatura.
Pedro Passos Coelho passa uma imagem de homem de Estado, contra tudo e contra todos, aguentou a pressão, e soube decidir bem no momento certo. Até com a autoridade de comprometer Paulo Portas, que estava com um pé dentro e outro fora do Governo. Voltou a falar como primeiro-ministro na plenitude das suas funções, ontem, na Assembleia da República, e abriu definitivamente a segunda fase do ciclo político deste Governo. E vai aproveitar, e bem, essa legitimidade reforçada para obrigar Cavaco Silva a aceitar a remodelação que já apresentou, ou a assumir a responsabilidade de marcar eleições antecipadas, com as consequências que o próprio tão bem identificou.
publicado por concorrenciaperfeita às 07:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds