Terça-feira, 17 de Setembro de 2013

O Governo mais 'troikista' do que a 'troika' acabou

 

A estratégia de negociação do Governo com a 'troika' mudou, e Cavaco Silva parece alinhar com Paulo Portas na responsabilização dos credores internacionais pelo que vai suceder ao País depois da oitava e nova avaliações que começaram formalmente ontem. O Governo, a partir de agora, não quer aparecer sozinho na fotografia da austeridade.

Na primeira fase do programa de ajustamento - e no início da actual legislatura - o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e o ministro das Finanças Vítor Gaspar assumiam que as medidas mais difíceis seriam sempre tomadas, mesmo que a 'troika' não estivesse em Portugal. Vivíamos o tempo da fé na austeridade virtuosa e, por isso, porque era necessário recuperar rapidamente a confiança dos mercados, o Governo era mais 'troikista' do que a própria 'troika'. O programa de ajustamento foi executado da pior forma do ponto de vista da redução do défice, assente num brutal aumento de impostos que tornou a austeridade mais recessiva do que seria necessário. Gaspar percebeu isso e foi embora, Paulo Portas percebeu isso e quis ir embora. Passos Coelho percebeu isso, mas aguentou, e mudou o discurso.

O novo ciclo, que começou depois da crise política do Verão, trouxe um novo modelo de governação, uma nova relação de poderes e novos equilíbrios entre o PSD e o CDS. Trouxe, também, um Presidente da República que aproveitou para se distanciar, ou, pelo menos, tentar.

O novo vice-primeiro-ministro não demorou a mostrar uma nova forma de negociação, arriscando o que o primeiro-ministro não quis arriscar. Por sua causa, por causa da nova estratégia do Governo, Paulo Portas afirmou no Parlamento que a meta do défice público para 2014 deveria ser revista, de 4% para 4,5%. Portas sabe do que fala. Se a redução do défice este ano não está assegurada, a de 2014 é virtualmente impossível de cumprir. A novidade é que Portas ensaiou esta estratégia dias antes da nova avaliação da 'troika'. As respostas, negativas, como se esperava, fazem-nos perguntar porque é que Paulo Portas decidiu fazê-lo.

A resposta é mais simples do que parece: acabou o Governo mais 'troikista' do que a 'troika'. Agora, o 'novo' Governo fará o mínimo necessário para recuperar a credibilidade externa do País e tentará o que for preciso para aproveitar a necessidade que a própria 'troika' tem de garantir um sucesso do programa de ajustamento português. Isso passa, também, por deixar de ser o aluno obediente que foi até agora.

Passos e Portas não querem, nem podem, partir a corda com a 'troika', e Cavaco também sabe isso. Mas querem que os portugueses saibam que, por eles, o processo de ajustamento vai ser dilatado, para não acabar com a possibilidade de recuperação da economia, que já teve os primeiros sinais positivos.

O Governo conta com a pressão da opinião pública, e a ajuda de Cavaco Silva, para ganhar espaço de negociação com os credores públicos, leia-se o FMI, a Comissão Europeia e o BCE. A pensar no programa cautelar que aí vem ou, no pior dos cenários, num segundo resgate. E a pensar nas próximas eleições, porque já é claro que Passos Coelho e Paulo Portas não se estão a lixar para as próximas eleições,  não as de 29 de Setembro, mas as próximas legislativas.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds