Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013

Gaspar, afinal, acertou em alguma coisa

 

Vítor Gaspar, afinal, contra as suas próprias avaliações na carta que deixou quando pediu a demissão do Governo, acertou nas previsões do desemprego para 2013. Os números do desemprego são surpreendentemente positivos, mas resumi-los a um efeito de sazonalidade é mais do que uma injustiça, é demagogia. Agora, as melhores previsões apontam para um desemprego de 16,6%, duas décimas acima do número fixado pelo ex-ministro no Orçamento do Estado para 2013 conhecido em Outubro do ano passado.

A evolução do desemprego é tanto mais significativa quando a população empregada diminuiu em 135 mil face ao terceiro trimestre de 2013. Este facto é, por si só, um factor de pressão sobre o desemprego, o que valoriza ainda mais a descida deste indicador pelo segundo trimestre consecutivo quando medido em cadeia.

A evolução negativa da população empregada tem, seguramente, uma explicação mais relevante do que qualquer outra: a emigração, sobretudo dos mais jovens na vida activa, os que, apesar das elevadas qualificações, foram obrigados a sair do País, a procurar outras oportunidades. É o ponto crítico, muito negativo, de um inquérito ao emprego que está em linha com outros indicadores que mostram uma estabilização/recuperação da economia. E porquê? Porque quando um País perde o seu capital humano, esmaga o seu potencial. E quando esse País não tem capital financeiro nem capital humano, não tem quase nada.

Sobra, apesar de tudo, uma dinâmica do mercado de trabalho que não é explicada apenas pela sazonalidade. Há um ano, no terceiro trimestre de 2013, havia sazonalidade, e mais gente empregada. A tendência tem de ser, ainda, confirmada nos próximos trimestres. Mas fica claro que a capacidade de ajustamento do mercado de trabalho em Portugal é mais sensível, e rápida, do que se poderia supor.

Talvez as empresas tenham feito despedimentos e rescisões amigáveis superiores às necessidades, e estejam agora a corrigir o tiro, talvez os sectores de exportação estejam a responder melhor do que o esperado, talvez o turismo esteja a beneficiar das crises políticas e dos conflitos em outras zonas do globo que são concorrentes do mercado português. Talvez sejam estas explicações todas somadas, e mais algumas ainda difíceis de determinar. Seja como for, são números que criam uma expectativa no mínimo positiva para incentivar a recuperação de outro indicador crítico para uma viragem de ciclo económico: o investimento.

 

PS: Álvaro Santos Pereira não regressou, ainda, à vida pública, mas foi 'recuperado' ontem por António Pires de Lima, que acaba por lhe fazer o maior elogio político póstumo. A estratégia de industrialização tem o dedo, ou melhor, as duas mãos, de Santos Pereira. Pires de Lima apresentou uma versão revista e aumentada - com mais um eixo - do programa que o ex-ministro ainda tentou usar como tábua de salvação. Não chegou, como já todos sabiam, mas foi suficientemente relevante para ser agora um trunfo político do Governo. Ou será do CDS-PP?

publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds