Terça-feira, 10 de Dezembro de 2013

O que se passa com a Caixa Seguros?

 

 

O Governo foi um dos vencedores da privatização dos CTT porque não cedeu à pressão dos lobbies e dos interesses e decidiu vender a empresa em bolsa, mas está a gerir com os pés a última operação do ano, a venda da área de seguros da Caixa Geral de Depósitos. Agora, todos estão a falar e ninguém percebe quem tem razão.

Quando está anunciada a data de entrega das propostas finais da Caixa Seguros, dia 16 de Dezembro, multiplicam-se as informações que, no mínimo, suscitam dúvidas. Em que ponto é que estamos? E o que está, mesmo, à venda? O Governo lançou um concurso para a venda da Caixa Seguros e apareceram dois candidatos, dois fundos de investimento, um chinês e um norte-americano. Do chinês não se sabe literalmente nada, a não ser que pediu mais um mês para formalizar uma proposta de compra. Do norte-americano, sabe-se que tem activos superiores a 150 mil milhões de euros e histórico de gestão dos seguros.

Nada disto garante, no final, uma proposta financeira que justifique a privatização a um parceiro estratégico de um grupo que, nos livros, está avaliado em cerca de 1,1 mil milhões de euros, mas também se percebe, por exemplo, que a administração da Caixa Seguros está contra a venda da empresa a um fundo e tem alimentado a ideia de que a melhor solução é a dispersão de capital em bolsa.

Percebem-se pelo menos dois argumentos que estarão na cabeça dos actuais gestores do grupo, particularmente da área seguradora: por um lado, a Caixa Seguros tem, como outros organismos e instituições públicos, investimentos de milhares de milhões de euros em dívida pública, aplicados quando Portugal tentou escapar ao resgate da 'troika', entre 2009 e 2011. Depois, por outro lado, se o Estado vender uma parte do capital em bolsa, mesmo que venha a ser a maioria, a actual gestão garante a posição por mais um mandato, pelo menos.

Em qualquer dos casos, são argumentos em causa própria, insuficientes para que o Governo decida o melhor dos caminhos, que só pode ser fundado no preço como indicador decisivo. Além disso, no caso dos CTT, a decisão do Governo para vender em bolsa não esperou pela entrega das propostas finais vinculativas, como parece já ser o caso na Caixa Seguros. Finalmente, a estrutura do negócio entre as duas empresas mostra que o sucesso dos CTT não é garantia de sucesso na Caixa Seguros.

Ora, como o Governo e o Ministério das Finanças estão a gerir este processo pelo silêncio, deixando que outros falem por si, está a ser co-responsável pela confusão que, neste momento, está instalada, na defesa da venda em bolsa. Poderá, até, ser a melhor solução, mas convém que alguém nos explique porquê.

 

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:13
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds