Terça-feira, 17 de Dezembro de 2013

Uma avaliação Alka-Seltzer

 

A 10ª avaliação da ‘troika’ ao programa de ajustamento foi, como se esperava, uma oportunidade para desanuviar as tensões entre o Governo e os líderes de missão do FMI, Comissão Europeia e BCE, só posta em causa pela directora-geral, Christine Lagarde, que reconheceu erros do programa. Serviu os objectivos, depois das críticas que saíram das últimas avaliações, e o momento decisivo fica para depois, à espera do Tribunal Constitucional e da 11ª avaliação.

É preciso avaliar o que sucedeu nas oitava e nona avaliações para enquadrar o que se esperava desta avaliação. Os relatórios foram duros, quer do FMI, quer de Bruxelas, e apontavam para problemas diferentes. Os salários e a competitividade, por um lado, a sustentabilidade da dívida pública e a execução orçamental de 2014, por outro. Foram murros no estômago, também explicados pela desconfiança da ‘troika’ em relação à estabilidade política na coligação. A 10ª avaliação tinha outro objectivo.

Como foi diferente a conferência de Imprensa de ontem em relação à que os portugueses tiveram oportunidade de ver no fim da 8ª e 9ª avaliações. Portas, à data, falou e falou, disse ao País o que tinha conseguido evitar, mas omitiu os cortes nas pensões de sobrevivência. Ontem, bastaram apenas menos de dez minutos para fazer um resumo.

A ‘troika’ chegou a Portugal para monitorizar a discussão e aprovação do Orçamento para 2014, e queria garantir que os cortes de salários e pensões estariam mesmo nas opções para o próximo ano. Garantidos esses objectivos, esta foi uma avaliação de ‘preparação’ para o que aí vem. Já a seguir e no pós-‘troika’. E o próprio Governo também aproveitou a presença de ‘troika’ em Lisboa para a usar. Foi ao mercado, fez um ‘swap’ de dívida pública e tornou os anos de 2014 e 2015 menos exigentes do ponto de vista do financiamento. Agora, ‘só’ faltam cerca de 4,6 mil milhões de euros para garantir o financiamento do Estado para todo o próximo ano.

Esta visita serviu, também, para garantir que a ‘troika’ não conseguiria voltar a pôr na agenda a reforma laboral, Esta agenda, muito defendida pelo FMI, acabou por ser descartada, mas foi útil ao Governo, pressionado do ponto de vista político, que aproveitou para dizer aos portugueses que não aceitará novas reduções de salários.

O elefante no meio da sala, esse, não desapareceu, leia-se o Tribunal Constitucional. O Governo e a ‘troika’ sabem que um chumbo a medidas de convergência nas pensões e dos cortes de salários na Função Pública é um risco do ponto de vista orçamental, sobretudo quando estão em causa, no conjunto, mais de mil milhões de euros. Mas, também é um risco político, sobretudo por causa da resposta política que o Governo vier a dar.

Depois desta avaliação do tipo Alka-Seltzer, em que as duas partes, professor e aluno, precisavam de resultados positivos, o que fica de importante é a preparação da próxima visita da ‘troika’ a Lisboa. Será a 11ª, depois da primeira decisão do Constitucional, e desejavelmente depois da primeira emissão de Obrigações do Tesouro a dez anos, já prometida por Moreira Rato, o presidente do IGCP. Será a avaliação preparatória para a negociação do novo Programa Cautelar.

 

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds