Terça-feira, 4 de Fevereiro de 2014

Bem-Amado, bem-Amado. Bem-Amado?

 

Nuno Amado apresentou prejuízos de 740 milhões de euros em 2013, um número no vermelho que só surpreende os mais desatentos e que está em linha com o plano de reestruturação do Millennium bcp, mas, a um ano do fim do mandato, o estado de graça do presidente do banco esgotou-se e 2014 tem de acabar com outra cor.

A administração do BCP continua a fazer o trabalho de casa necessário, Amado fechou o acordo com a Direcção-Geral da Concorrência europeia depois de beneficiar de uma ajuda pública de três mil milhões de euros que custaram, só em 2013, cerca de 269 milhões, vendeu a operação na Grécia e fechou um acordo com os sindicatos. Já era um plano de difícil execução, ao qual é preciso acrescentar a situação económica do País, a falta de negócio, que explica, por exemplo, que o produto bancário tenha caído mais de 15% no ano passado. O BCP, como os outros, tem dinheiro para emprestar, não tem é uma carteira suficiente de boas empresas e bons projectos, por isso, o crédito caiu mais de 5%. Se pudesse, Amado não venderia a operação na Polónia, que dá lucros, passaria, antes, a sede do BCP para Varsóvia.

Sim, o BCP está melhor hoje do que estava há dois anos, tem rácios de capital mais sólidos, cumpre as exigências do Banco de Portugal e da EBA, mas está mais ou menos como o País: o processo de ajustamento tem custos, o quadro geral piora antes de melhorar. Ora, 2014 é, neste aspecto, decisivo.

Ao contrário do BPI, que já iniciou de forma acelerada, até demais para o gosto do Banco de Portugal, o reembolso do empréstimo público de 1,5 mil milhões, o BCP promete começar este ano a pagar 400 milhões dos três mil milhões que recebeu, ainda assim, menos 100 milhões do que tinha prometido.

Em 2014, Nuno Amado tem de apresentar resultados positivos, pelos accionistas de referência, particularmente os angolanos que já investiram milhões, mas sobretudo pelos outros. O processo de ajustamento - leia-se o reconhecimento de imparidades e provisões - vai continuar, e o calendário para o pagamento dos três mil milhões aperta, por isso, Amado vai ter de fazer, em 2014, o que já foi tentado, sem sucesso, pelo seu antecessor, Carlos Santos Ferreira. O BCP precisa de voltar a ser uma referência no mercado de capitais, o BCP precisa de novos accionistas, para juntar à Sonangol, que permitam manter a dimensão internacional do banco.

Nuno Amado cumpriu (quase) à risca o plano negociado com as autoridades nacionais e internacionais, mas precisa de surpreender em 2014, precisa de arriscar.  O presidente do BCP foi bem-amado nos primeiros dois anos, mas precisa de lucros para chegar ao terceiro.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds