Sexta-feira, 21 de Março de 2014

Em inglês não soa melhor

 

Os notáveis portugueses que subscreveram o manifesto da reestruturação da dívida pública ganharam um novo alento porque outros notáveis, economistas e professores de uma dezena de países, apoiaram esta iniciativa. Tenho uma notícia em primeira mão para dar: o facto de aparecer um novo manifesto em inglês não faz do manifesto em português uma proposta acertada.

Os 74 economistas internacionais foram convencidos a participar na iniciativa a partir de Lisboa, um dia destes saberemos por quem, numa tentativa de credibilização externa de uma iniciativa de política interna, legítima, é claro, mesmo quando é posta no pior dos momentos. Mas o manifesto continua a ser igualmente errado, na substância e na forma. Aliás, estes novos apoios só servem para confirmar o que se sabia, e que os próprios 'manifestantes' evitam reconhecer.

A proposta de reestruturação de dívida pública - que ainda por cima confunde sustentabilidade da dívida com os compromissos políticos assumidos, pelo Governo e pelo PS, no Tratado Orçamental - é uma forma envergonhada de manter o Estado que temos, e pedir a terceiros, à Alemanha, que nos dê uma folga.

Já fizemos muito, dizem. Não, fizemos alguma coisa de estrutural, muitos cortes cegos, e transcrevemos muitas decisões políticas europeias para o ordenamento jurídico nacional, assinamos o Tratado Orçamental e novas regras que impõem vigilância europeia reforçada. E recebemos 78 mil milhões de euros por causa disso. A seguir, teremos de continuar a fazer pela vida, para ganhar a confiança para uma nova etapa, europeia, que vai suceder necessariamente, noutro momento e noutro quadro. Porque continuamos a depender de credores, até agora oficiais, e que, espera-se, serão também privados a partir de Maio.

O processo da união bancária, lento, muito lento, deveria ainda assim servir de exemplo para o caminho que deveria ser seguido, do ponto de vista político, para a necessária discussão sobre o aprofundamento da integração económica e financeira. O Parlamento Europeu, e não nenhum País, menos ainda um intervencionado, conseguiu o apoio necessário da Alemanha para fechar um verdadeiro instrumento europeu de apoio à salvação de bancos em risco de falência. É um instrumento de mutualização financeiro, financiado por todos os bancos europeus, e que protege os contribuintes de serem chamados a salvar os bancos. A partir de agora, os donos dos bancos serão os primeiros a serem chamados, e bem. Como a união bancária, chegaremos a alguma forma de mutualização de dívida, mas a partir de Bruxelas, e não a partir de Lisboa.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds