Terça-feira, 11 de Março de 2014

Sei o que fizeste no Verão passado

 

Cavaco Silva deixou cair a estratégia do politicamente correcto que seguiu no Verão de 2013 quando propôs um consenso político entre o Governo e o PS e passou agora para uma nova etapa, de responsabilização directa dos líderes partidários pelo que vier a suceder no pós-'troika' se não houver acordo. Dito de outra forma, o Presidente quer um programa cautelar, mas quer mais ainda um novo Bloco Central.

Em 2013, depois da demissão irrevogável de Paulo Portas, Cavaco Silva surpreendeu o País ao convidar os três partidos do arco do Governo a discutirem um acordo de médio prazo, coisa bondosa, e necessária, mas que só serviu para prolongar uma crise política, e o aumento dos juros da dívida pública. Ninguém queria um acordo, mas era Seguro quem mais tinha a ganhar e hoje deve estar bem arrependido por ter cedido aos soaristas e socráticos.  Porquê? Porque estaria hoje a preparar-se para as legislativas antecipadas.

Cavaco Silva é claro no que tem vindo a dizer, e foi ainda mais ontem, numa leitura do próprio sobre o alcance do que escreveu no prefácio dos Roteiros. O programa Cautelar é a saída preferida, por várias razões, mas por uma em especial, que não abona em favor dos políticos. Portugal é um País que não se governa e que talvez se deixe governar se houver um acordo ou, em alternativa, uma rede de segurança, e de vigilância, externa. Porque a seguir ao dia 17 de Maio, no dia 18, nada vai mudar, as exigências vão manter-se, a austeridade também.

É claro que Cavaco sabe que não há possibilidade de um entendimento político até às eleições europeias, seria o suicídio político de António José Seguro, mas se as palavras do Presidente são para levar a sério, o cenário de eleições antecipadas voltará a estar sobre a mesa a partir do dia 26 de Maio. Cavaco só pode ter esse caminho em cima da sua mesa, a alternativa seria apenas a defesa do seu próprio interesse no meio de um processo de ajustamento que, como o próprio reconhece, ainda tem muitos riscos.

A jogada de Cavaco é de alto risco, até para um Presidente que sai em Janeiro de 2016, e as dúvidas sobre a sua força política para impôr um acordo são, no mínimo, legítimas, mas esta iniciativa promete.

Os dados estão, por isso, lançados, o Presidente quer um acordo político ou prepara-se para antecipar o calendário, e já tem, até, o argumento de que as eleições antecipadas não são um risco para a estabilidade financeira do País, porque, nesse momento, Portugal já terá terminado o programa de ajustamento com a 'troika'. Nesse momento, vai relevar outra dimensão política, a da clarificação do impasse que poderá resultar de uma vitória de Seguro nas europeias.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds