Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014

Um abraço do urso

 

Pedro Passos Coelho afirmou, em Dezembro, que dispensaria o envolvimento do PS caso fosse necessária a assinatura de um programa cautelar e, agora, à medida que se aproxima o fim do programa de ajustamento, e uma 'saída limpa' ganha consistência, acena com um compromisso político que não é mais do que um 'abraço do urso', ao qual António José Seguro não poderá fugir.

Em Julho, aquando da crise política que resultou de um pedido de demissão de Paulo Portas, António José Seguro teve a oportunidade de acelerar o calendário político. Saiu-lhe a sorte grande, com a assinatura de Cavaco Silva, mas o líder do PS não percebeu que dificilmente teria outra 'sorte', desvalorizou a capacidade política de Passos Coelho e jogou tudo no segundo resgate, primeiro, e no programa cautelar, depois. A partir de um determinado momento, criou a ambiguidade de que uma e outra coisa são o mesmo. Não são, e agora, quando uma saída 'à irlandesa' parece possível, não é apenas Passos Coelho a ganhar, é Seguro a perder, sem sequer ir a votos.

Em política, o que era verdade ontem, pode ser mentira hoje. Em tempos, era o Governo a precisar de garantir o apoio do PS, agora, tem condições para impor uma agenda política que, na verdade, tem o objectivo de afastar os socialistas ou, pior, de os neutralizar no pós-'troika'. No caso de Seguro, já falta pouco, também por responsabilidade própria. O secretário-geral do PS diz não querer apresentar uma alternativa concreta quando falta tanto tempo para eleições, mas corre o risco de morrer, politicamente, na praia.

A ideia de um compromisso em torno do Documento de Estratégia Orçamental (DEO) seria sempre desejável - e não anularia as opções políticas de cada um dos partidos dentro dos limites de despesa e de saldo orçamental definidos - e está até de alguma maneira assumida no Tratado Orçamental. Mas é evidente que neste quadro político, isso já é uma impossibilidade de facto. E como o País já está em pré-campanha - que começa com as europeias e só terminará em Outubro de 2015 - a força de Seguro será exactamente a que sair das eleições ao Parlamento Europeu no próximo dia 25 de Maio.

 

PS: Os deputados do PSD decidiram não decidir, numa posição que só os menoriza, a eles e ao Parlamento. Com uma jogada própria de partidos de facção, o PSD obrigou os deputados a remeterem uma decisão que deveriam ter tomado sobre a coadopção e a adopção por casais homossexuais - fosse qual fosse o sentido de voto - para um referendo. E pior do que aqueles que votaram o referendo só mesmo os que assumiram votar contra a sua própria consciência e recorreram a cínicas declarações de voto. O PSD ganhou tempo, mas perdeu uma coisa muito mais importante, a seriedade. Este lamentável episódio tem, ainda assim, uma virtude, a de tornar evidente que é preciso mesmo reformar o sistema político, porque dispensamos bem os 230 deputados e o custo que acarretam.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:25
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds