Quinta-feira, 13 de Março de 2014

Um acto falhado

 

O manifesto dos 70 notáveis que defendem a reestruturação da dívida pública não resistiu ao teste das primeiras 24 horas, à avaliação dos pressupostos técnicos usados para justificar tal iniciativa, absolutamente suicida se fosse para ser levada a sério, agora, assim, desta forma. É pois, apenas, um documento político mínimo garantido que serviu para uns credibilizarem as propostas de outros, para pôr a estratégia de oposição ao Governo à frente do interesse do País, para fazer oposição pessoal a Passos Coelho.

A dois meses do fecho do programa de ajustamento com a 'troika', é claro que a ideia, perigosa e, felizmente, falsa, de que há um consenso nacional para não pagar a dívida, pelo menos parte dela, suscita os maiores receios a quem nos emprestou, e a quem pensa voltar a emprestar no futuro e espera ser reembolsado. O manifesto não identifica quem ficaria com o calote nos braços, mas as contas, que os subscritores do manifesto, de resto, não revelam, deixa perceber que a dívida da 'troika' não chegaria, mesmo que aceitasse tal coisa, teria de ser acompanhado de perdas dos residentes, leia-se, dos bancos portugueses, dos depositantes e dos próprios investidores em títulos de dívida como os certificados de aforro.

Ninguém, creio, questiona que a dívida pública é um fardo pesado, custa mais de sete mil milhões de euros em juros por ano, vale mais do que a maior parte dos orçamentos sectoriais, é ele próprio um orçamento, e até tem um 'ministro', João Moreira Rato, o presidente do IGCP, que tem feito, e bem, uma renegociação permanente, e no mercado, dos planos de reembolso. Mas o manifesto, subscrito por tantos que tiveram responsabilidades governativas, e em áreas tão sensíveis como as Finanças, não aponta, uma única vez, a reforma do Estado, a reforma da economia, como passos prévios a qualquer outra iniciativa. Porque, como dizia Bagão Félix no seu comentário semanal na SIC Notícias em Outubro de 2013, "quando se fala em reestruturação da dívida, entenda-se, não pagar parte da dívida", o que está em causa é um mesmo um 'haircut'. Pode ser ordenado, como o grego, ou desordenado, como os que vemos na América Latina, mas são, ambos, igualmente maus. Como os gregos bem sabem, porque tiveram, em alternativa, de suportar ainda mais austeridade, maior do que aquela que é necessária para pagar os juros da dívida. Foi isso que foi proposto e, por isso também, o timing não poderia ser pior.

Os subscritores do manifesto tentaram, precipitadamente, cavalgar o prefácio dos Roteiros de Cavaco Silva, a mensagem do Presidente sobre o que nos espera no pós-troika e aproveitar uma janela de oportunidade num movimento de oportunismo político que toda a gente rapidamente percebeu. E por isso, Cavaco só poderia demitir os dois consultores que assinaram o manifesto. A coisa fugiu-lhes do controlo. Salvou-se o PS e António José Seguro que, nesta matéria, manteve um cuidado silêncio. Sim, é possível discutir o futuro do País e do peso da dívida, e sim, este é o pior momento para o fazer nestes termos, anunciando ao mundo que nos preparamos para não pagar. Fica uma tentativa falhada de um manifesto que poderia ter apelado a um consenso político para estabilizar as contas públicas e acabou por ser acto falhado de oposição.

 

publicado por concorrenciaperfeita às 07:29
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds