Quarta-feira, 12 de Março de 2014

Um manifesto anti-manifesto

 

A pouco mais de dois meses do fim do programa de ajustamento e de um acto eleitoral, as europeias, já cá faltava um manifesto, de espectro partidário amplo, mas com uma ideologia única, de Esquerda. O manifesto que defende a reestruturação da dívida pública tem um objectivo, mas não é aquele que os subscritores anunciam, é outro, é manter o modelo de negócio que temos, o Estado que temos, e atirar a dívida para trás das costas.

O anúncio do manifesto - assinado por 70 notáveis, supostamente de Esquerda e de Direita - tem um título pomposo, e cativante. "Preparar a reestruturação da dívida para crescer sustentadamente", anunciam os subscritores, para, logo nas primeiras linhas, escreverem que "nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo de crescimento económico e de emprego". É uma boa frase para estar em qualquer manifesto e podemos desde já deixar a questão do crescimento económico e emprego para segundo plano. Porquê? Porque, nesta matéria, estamos todos de acordo, o problema é mesmo como se chega ao crescimento.

Com mais dívida, que resulta de défices sucessivos, não é certamente o melhor caminho para a economia voltar a crescer, é preciso, por isso, reduzir este fardo, que vale 129% do PIB, não apenas por imposição do Tratado Orçamental, mas por necessidade, porque consome recursos aos privados. Mas, de que forma? A resposta, no manifesto, é envergonhada, mas clara. Reestruturação é apenas um eufemismo, o objectivo é outro, indizível, é trocar a reforma do Estado - a dita austeridade - por uma solução muito mais simples, leia-se, a mutualização europeia da dívida pública, que nos pouparia a novos e grandes trabalhos. Como se fosse possível regressar à normalidade pré-'troika'.

O manifesto da reestruturação da dívida sublinha, claro, que Portugal deve cumprir, sem hesitações, as boas regras orçamentais, "de acordo com as normas constitucionais", o que, para bom entendedor, quer dizer que o Governo pode fazer tudo, desde que não reforme o Estado, o sistema de pensões e o modelo de organização da Função Pública. Sim, pode fazer tudo o resto, até aumentar ainda mais os impostos.

Os subscritores do manifesto sabem que o Governo não tem feito outra coisa, desde que chegou, também porque falhou sucessivos objectivos. Já renegociou - isto é, reestruturou - o défice e a dívida, nos prazos e no preço. E quer, e vai, continuar fazê-lo, com os credores oficiais, mas também com os credores privados, por exemplo, quando o IGCP decide ir ao mercado recomprar dívida ou quando faz troca de dívida. Aliás, a análise da curva de pagamento da dívida quando começou o programa de ajustamento e o que existe agora é a prova de que já houve uma reestruturação activa, que não teve esse nome.

As renegociações de prazos e custos da dívida vão continuar, a reestruturação da dívida far-se-á, um dia, no quadro europeu, quando tivermos outro federalismo na Europa, e mais partilha de soberania. Por isso, o que está implícito nesta proposta, e que nunca é afirmado, é outra coisa, e não poderia ser mais perigosa quando estamos a dois meses do fim do programa e em processo de negociação com a 'troika' para o pós-memorando. Felizmente, para Portugal, os mercados e os investidores não ficaram impressionados com o manifesto dos notáveis.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds