Quinta-feira, 6 de Março de 2014

Um País, duas realidades

 

 

O País do milagre económico das exportações é, afinal, o mesmo País que tem uma estrutura produtiva com dificuldades em afirmar-se na dinâmica da globalização, dito por dois ministros do mesmo Governo, curiosamente do mesmo partido da coligação. Ou é a diferença entre o discurso para consumo interno e a necessidade de pedir mais dinheiro à Europa, como fica claro do trabalho da jornalista Margarida Peixoto na edição de hoje.

É claro que as empresas portuguesas resistiram melhor do que se esperava ao choque do programa de ajustamento, e seria uma injustiça - e um erro - reduzir o aumento do peso das exportações na riqueza criada no País à construção da refinaria da Galp em Sines, em primeiro lugar porque esse investimento permite limitar um dos problemas da nossa balança externa, que diz respeito à importação de combustíveis, em segundo lugar porque este investimento é estrutural e está cá para ficar. E finalmente porque há mais empresas do que a Galp, daquelas que são pequenas e médias empresas e que ganham sucessivamente quotas de mercado pelo mundo. Mas é claro que há um pecado original no discurso do Governo, ao qual agora é difícil fugir.

Quando foi conhecido o programa de ajustamento assinado com a 'troika', criou-se a ideia, um mito, como se percebe, de que o País seria outro ao cabo de três anos, as empresas obsoletas e ultrapassadas que produziam e vendiam no mercado interno, e bens não transaccionáveis, desapareceriam e em seu lugar nasceria uma nova economia, com capacidade e escala para concorrer no mercado internacional.

Estávamos condenados a sofrer o choque da realidade. Ao fim de três anos, a nossa balança externa ajustou, passámos a viver dentro das nossas possibilidades, mas 'graças' a um nível de desemprego historicamente elevado e a uma queda brutal da procura interna, leia-se consumo das famílias e o investimento. A reestruturação da economia, a mudança de perfil económico das empresas, é outra conversa, e precisa de mais tempo.

É evidente que uma economia não muda da noite para o dia em três anos, e mesmo os resultados conseguidos pelas exportadores - excelentes, como se prova pelo crescimento das exportações em 2013, na casa dos 5% - não chegam para provar o que o Governo apregoa quando vende os benefícios do programa de ajustamento, a pensar, claro nas eleições. Já quando é necessário justificar os fundos comunitários negociados com Bruxelas, é necessário carregar no negro, e no que ainda falta percorrer, para justificar uma opção política, correcta, de reforçar os apoios às pequenas e médias empresas.

Neste País que tem, no discurso oficial, duas realidades, sobra o que interessa, uma estrutura empresarial que tem uma oportunidade única, com o novo quadro comunitário, para dar razão em definitivo ao discurso interno e deitar para trás das costas o arrazoado do pedinte.

 

 

publicado por concorrenciaperfeita às 08:07
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds