Quarta-feira, 19 de Março de 2014

Uma mão cheia de nada

 

Pedro Passos Coelho chegou a Berlim com uma mão cheia de nada para um encontro com Angela Merkel, um desacordo com António José Seguro que obrigará o Governo a decidir, sozinho, o modelo de saída do programa de ajustamento com a 'troika'. E o compromisso fica adiado, até às próximas eleições.

O primeiro-ministro preparou a semana ao milímetro, enviou uma carta-convite ao secretário-geral do PS na sexta para um encontro em São Bento na segunda-feira. Para quê? Para abrir formalmente o processo de negociação com a chanceler alemã. Passos deveria ter aberto este processo muito mais cedo, aliás, nunca o deveria ter fechado, e deu o pretexto que António José Seguro queria para não assinar nada em cima de eleições.

O líder do PS colocou-se na posição fácil, identificou uma divergência insanável, aproveitou para dizer que não, não se sabe exactamente o que estaria disposto a viabilizar ou, dito de outra forma, sabe-se que o Governo vai anunciar mais um conjunto de medidas no Documento de Estratégia Orçamental (DEO) que valerão cerca de dois mil milhões de euros de cortes para os anos seguintes. Não há solução fácil, afinal, qual é a alternativa de António José Seguro? Crescimento, todos queremos, mas não chega para garantir o que vem a seguir, e não será um 1640. Vai ter que dizer mais.

Angela Merkel, essa, disse o que se esperava, disse aos mercados que apoiará Portugal com ou sem Programa Cautelar. José Sócrates também tinha a mesma garantia dias antes de ser chumbado o PEC IV, e foi o que se viu. E até conseguiu que Merkel desse um raspanete a Passos Coelho numa reunião do PPE. A história, entretanto, é conhecida.

A saída de Portugal será limpa, mas o problema do Governo é saber se garante uma saída credível. Sem um compromisso mínimo com o PS, será uma saída menos credível, e sem Programa Cautelar, será mesmo uma saída frágil, exposta a todos os ventos e tempestades. Mas se resistir aos próximos seis meses, António José Seguro corre o risco de passar à história.

 

PS: Portugal falhou ontem a operação de recompra de dívida pública, mas o resultado final foi, afinal, uma boa notícia para o processo de saída do programa de ajustamento, foi daquelas operações que João Moreira Rato falhou sem falhar. Provavelmente, não deveria ter dado a indicação ao mercado de que o instituto que gere a dívida pública estaria disponível para comprar entre 500 e mil milhões de euros de Obrigações do Tesouro, depois de já terem realizado uma operação semelhante ainda há semanas, com a mesma linha de emissão. Recompraram apenas 50 milhões, pouparam algumas centenas de milhar em juros. A resposta do mercado, essa, foi clara: os investidores já incorporaram que as 'yields' de Portugal vão continuar a cair no quadro da saída do programa da 'troika' e, por isso, não estiveram disponíveis para vender ao preço a que o IGCP queria recomprar. A rentabilidade é suficientemente atractiva, e o risco mínimo. E querem ficar expostos a Portugal.

publicado por concorrenciaperfeita às 08:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15

16

24
25
27
28
29

30
31


posts recentes

Salgado recupera a espera...

A política destrói valor

Porque é que Cravinho ass...

Em inglês não soa melhor

A palavra de Cavaco

Uma mão cheia de nada

Acordo para uma saída cre...

Carta aberta ao 71º subsc...

O plano P, de Parlamento

Um acto falhado

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

blogs SAPO

subscrever feeds